3 Meses para o Enem – O que Fazer?

0
18

Daqui a praticamente 3 meses vai acontecer o maior exame nacional para estudantes do Ensino Médio (Enem) e, mesmo com a queda do número de inscritos, a quantidade de interessados é grande, afinal, se forem bem nas provas, os candidatos podem conseguir uma vaga na universidade – como os programas do Governo Federal.

Quem seguiu um cronograma correto, já deve ter bastante conteúdo fixado na cabeça. Já para aqueles que procrastinaram por algum tempo, o período é de desespero. No entanto, a dica, para ambos é uma só: concentração e otimização de tempo.

Agora, o momento é de revisar, passar conteúdos e memorizar aquilo que ainda não está fixado na mente. O desespero, nesse caso, é inimigo. Portanto, mesmo que você ache que ainda não sabe tudo que deveria, mantenha a cabeça no lugar – procure dormir 8 horas por noite, praticar atividades físicas e deixar o corpo em sintonia com a mente.

Muitas vezes, o cansaço, o sofrimento e a pressão impostas sobre o candidato pode atrapalhar o desempenho, até mesmo daqueles que estudaram em maior quantidade de tempo.

Se você puder fazer meditação ou ioga também é aconselhável, além da alimentação leve, rica em frutas, verduras e legumes, deixando os gordurosos para lá.

Mas por que?

“A gente tem um monte de conhecimento, que vai organizando, e chega uma hora em que essa quantidade de informação simplesmente dá um ‘tilt’. Uma hora falha. E falha de tal forma que a gente lembra a roupa que o professor estava vestindo e tudo o que aconteceu naquele dia, menos o diabo do exercício”, diz Paulo Motta, que é professor do departamento de psicologia evolutiva, social e escolar da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo).

Claro que o branco não é definitivo, mas pode atrapalhar e muito sua nota final. O mais importante é conseguir contornar a situação e isso pode ser feito com os exercícios citados acima, que são técnicas de relaxamento.

E para não dar o “branco”, o que fazer?

Veja o que disse em seu blog, o especialista em memória Renato Alves.

Estude menos e seja aprovado. Durante a preparação do livro O Segredo dos Gênios, compilei o resultado de entrevistas que realizei com os melhores estudantes e professores que conheci ao longo de 13 anos de carreira como mnemonista.

Um dos meus objetivos era descobrir com quantas provas se faz uma aprovação e também saber quantas reprovações seriam necessárias para fazer um estudante desistir de seu sonho.

Estude menos e seja aprovado, como ser aprovado em concursos e vestibulares.

Foi importante constatar que os grandes campeões não alcançaram o topo na primeira tentativa. A maioria enfrentou várias reprovações antes de subir ao pódio.

Uma estudante de medicina da USP, por exemplo, relatou que para conquistar sua vaga teve de digerir sete derrotas nos vestibulares. Também, uma promotora de justiça disse que tentou o mesmo concurso 22 vezes antes de assumir o sonhado cargo público. Um bacharel em direito, prestou nove vezes o exame da OAB para conseguir sua carteira.

Leia Também: Medicina da USP vai adotar Cotas Raciais e ENEM para o…

Perguntei a cada um deles: Quantas reprovações você suportaria antes de desistir do seu grande sonho? De todos, ouvi a mesma resposta: Quantas fossem necessárias!

O único caminho para quem não desiste é o da aprovação. Para isso é necessário ter boa memória e um dos mecanismos mais importantes para formação da memória humana é a repetição.

É a memória de longa duração que registra assuntos com os quais tivemos mais contato. Por exemplo: uma lei que é estudada e revisada diversas vezes vai parar neste tipo de memória, que é capaz de durar muitos meses, anos, ou por toda a vida.

Este mecanismo pode explicar porque o estudante que reprova, mas insiste, tem mais chance de ser aprovado.

Pensemos assim: no primeiro concurso de sua vida você ficou muito tenso, teve lapsos de memória e foi reprovado.

Conquistou apenas a desastrosa experiência do primeiro concurso. Mas insistiu e estudou com maior atenção seus pontos de dificuldade, aprendeu a reverter os brancos que podem ocorrer durante a prova e ampliou o seu conhecimento.

Na segunda tentativa não ficou tão nervoso, mas, novamente, foi reprovado. Você aumentou para dois o número de concursos no currículo.

Do ponto de vista da memória, ao contrário do que se pensa, o concurseiro reprovado terá que estudar menos a cada concurso que presta, pois retoma os estudos sabendo mais.

Outro dado importante: a cada prova, ele ganha mais experiência, fica cada vez mais à vontade e isso ajuda a afastar o fantasma dos lapsos de memória.

Gosto de associar o concurso público a uma corrida de Fórmula 1. Nesta modalidade esportiva, se não houver nem uma batida, se não estourar o motor de nenhum dos carros, quem cruzará a linha de chegada? Resposta: Todos!

O mais importante para um concursando é nunca desistir. Desde que não lhe falte disciplina e ânimo, recomendo que durma tranquilo, pois estará trilhando o inevitável caminho da aprovação.

Reprodução: Google

Autoconfiança é Importante?

Muito. “Tem muito aluno que estuda, conhece, mas não tem autoconfiança. Ele esquece que ninguém sabe tudo”, diz Alberto Francisco do Nascimento. “Ai, meu Deus, amanhã é a prova. Amanhã é a prova? Encare com naturalidade”, afirma.

“Se durante a prova o aluno ficar nervoso, pare, tire a caneta da mão e inspire profundamente. Prenda a respiração, solte devagar. Faça isso quantas vezes forem necessárias. Daí, volte para a prova”, aconselha o professor.

Para finalizar esse pensamento, o professor lista as medidas que devem ser tomadas:

  • Mantenha-se Calmo. Lembre-se: você sabe o conteúdo,
  • Comece pelo assunto no qual você tem mais facilidade,
  • Faça outras questões e, depois, volte àquela em que você sentiu dificuldade,
  • Leia o enunciado com calma,
  • Inspire profundamente e solte a respiração devagar até se sentir relaxado.

Além da autoconfiança, comportamentos adequados são essenciais

O professor Alberto do Nascimento selecionou, também, algumas dicas que podem fazer a diferença na hora de fazer o Enem porque, justamente, deixa o aluno mais calmo e confiante. Por exemplo, assim que o local de prova for divulgado, vale a pena tirar uma hora do estudo para ir até ele e conferir o melhor trajeto, as vagas de estacionamento, a entrada principal.

Depois, também bem antes do dia da prova, é preciso regularizar todos os documentos que forem necessários. “É obrigatória a apresentação de documento de identificação original com foto para a realização das provas”, diz o edital.

“Considera-se como documentos válidos as cédulas de identidade (RG), Carteira de Trabalho ou Previdência Social, Certificado de Reservista, Passaporte ou Carteira Nacional de Habilitação, todos com fotografias”.

Também conforme informações do edital, quem assim não o fizer, mas que tenha motivos condizentes (como roubos, extravios ou perdas) poderá fazer a prova desde que apresente o Boletim de Ocorrência expedido pelo órgão policial em até 90 dias do exame.

Outras dicas citadas por ele já foram faladas aqui: dormir bem, comer bem, manter-se focado nos dias e horários, além dos assuntos.

Mudanças no Enem conforme Edital

O Enem teve sua temporada aberta após a abertura do edital, em abril deste ano. A partir daí é possível ver, de forma geral, as novas mudanças que devem ocorrer – que não são poucas.

Como já se sabe, a prova será em dois domingos consecutivos e, como vimos acima, as Forças Armadas juntamente com os Correios é que vão participar da distribuição dos cadernos.

Outra novidade foi o aumento em mais de 20% sobre o valor da inscrição, que passou de 68 para 82 reais e fez com que fosse motivo para muitos estudantes deixar de prestar a prova – esse ano teve um recorde negativo no número de inscritos.

O aumento no preço é justificado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), conforme informações do Inep. E estão isentos alunos de escolas públicas concluintes do ensino médio em 2017; participantes carentes que estejam no CadÚnico; estudantes que se enquadram na Lei 12.799/2013.

Com a mudança, como controlar o tempo de prova do Enem 2017?

Toda mudança gera, no mínimo, adaptações e com essas do Enem não será diferente. Mesmo porque muitos candidatos têm dificuldades em fazer as contas, o que pode tornar a matemática como um agravante.

Porém, para especialistas, o grande segredo é saber como administrar o tempo da resolução de cada questão. “Assim, os alunos poderão fazer toda a prova com tranquilidade sem ficar contando os minutos para o tempo acabar”.

Levando em conta que a prova tem 90 questões e um tempo de 4 horas e meia, então, é possível dizer que serão 270 minutos de provas para solucionar todas as questões. O tempo médio é de 3 minutos para cada questão.

Mas, recomenda-se que estudantes usem apenas 2 minutos e 30 segundos para cada uma, sendo que é preciso deixar um tempo livre para preencher o gabarito.

Mais do que isso, a recomendação mais comum é treinar esse tempo de prova com simulados. Isso tem que fazer parte da rotina do candidato e é uma das melhores ferramentas para atingir os objetivos.

Reprodução: Google

O melhor cronograma para treinar o tempo de prova

Especialistas recomendam estudar, ao menos, 3 horas por dia, mesmo que seja ume estudo seguido ou separado em partes. Por exemplo, mesmo que o estudante não tenha 3 horas corridas, poderá estudar 30 minutos no ônibus no caminho até algum lugar ou 30 minutos antes de dormir, por exemplo. E assim por diante.

O ideal é começar pelas matérias que são consideradas mais difíceis pelo candidato. “Já que é nesse momento que o aluno terá mais energia e disposição para conseguir compreender o que é considerado complicado por ele”.

Após cada período de estudo, é aconselhável fazer os exercícios, levando em conta que a revisão é uma boa técnica para colaborar com a memorização do conteúdo.

A leitura também é parte importante, tanto nas matérias de linguagens quanto em matemática. “O aluno precisa entender o que está sendo pedido”. Comece lendo livros de gêneros que você goste, passe pelo noticiário local e nacional e aposte também em revistas.

A leitura de jornais e revistas é essencial porque o Enem aposta muito em temas atuais, como os relacionados aos direitos humanos, cultura social e religião.

Além da revisão, é preciso fazer também um resumo de cada tema ou de cada assunto que foi lido e estudado. Isso também colabora muito com a memorização de palavras e fórmulas. Portanto, é simples: leu um livro, faça um resumo citando os principais personagens e sem perder o enredo da história.

Outra dica sustentável é fazer post it com fórmulas ou palavras-chaves importantes e colar em lugares onde é possível visualizar de maneira frequente. Essa é outra técnica de memorização que pode ajudar o candidato durante o estudo.

Por fim, vale ressaltar que o melhor cronograma é aquele que leva em conta o tempo de descanso. O estudante usa muito da parte emocional e dormir, ao menos 8 horas, é sumamente importante, além de levar em conta o lazer e a cultura, o que dará mais energia para a rotina de estudos.

Muitas Críticas sobre a Divisão da Prova

O Enem deixará de ser aplicado em dias seguidos – sábado e domingo. Mas, o principal alvo de críticas é quanto as provas – sendo que no primeiro dia será de ciências humanas e no segundo, matemática e natureza.

Erik Horner é coordenador pedagógico do ensino médio do Colégio Humboldt e diz que acha que a estratégia do MEC é positiva para não sobrecarregar o aluno com um único estio de prova no mesmo dia.

“Aqui no colégio não fazemos duas grandes avaliações das ciências da natureza no mesmo dia para não esgotar o mesmo lado do cérebro digamos assim”. Para ele, esse novo arranjo de cobrança das disciplinas pode diminuir o benefício da divisão do exame em dois finais de semana.

Edmilson Motta é coordenador geral do Etapa e também critica a divisão.

“Antes já falta tempo para as 45 questões de matemática e agora junto com ciências da natureza que também exige cálculo. Quatros horas e meia vai ser pouco tempo, vai ser muito desafiante para o aluno”.

Hélcio Alvim é outro coordenador pedagógico, só que do Colégio do Ensino Médio Mopi. Ele diz que o segundo dia do Enem será bem mais pesado.

“Acredito que essa nova distribuição é mais pesada para os alunos, principalmente, aos de humanas que, no segundo domingo, terão de responder a muitas questões complicadas em apenas quatro horas e meia. Sendo assim, gosto mais da divisão anterior”.

Descoberta a Regra Número 1 para Conseguir uma Boa Pontuação no Enem

Na contramão dessas opiniões, Viviane Paiva Direito, que é coordenadora pedagógica do Colégio Franciscano Pio XII, a nova distribuição será positiva.

“No modelo antigo os alunos ficavam muito desgastados e não dava para fazer toda a prova, principalmente no segundo dia. Com as matérias mais pesadas separadas, os alunos têm mais chance de concluir”.

15 possíveis temas para a Redação do Enem 2017

Os temas foram todos sugeridos pelo site horadoenem.org. E nós vamos repercuti-los agora:

1 – A falta de recursos hídricos: A prova pode pedir para o estudante relacionar a falta de recursos, as questões políticas nessa crise e a solução para a geração de energia, principalmente, uma energia que impacte menos no meio ambiente.

2 – As manifestações políticas: É interessante falar sobre a potencialidade da ferramenta na comunicação das pessoas, no debate de assuntos e de levar a informação ao público. Também é possível falar sobre a confiabilidade do que passa pelas redes sociais, pois nem sempre as informações são corretas.

3 – A mobilidade urbana: A prova pode pedir ao estudante indicar alternativas para melhorar a mobilidade urbana e falar sobre o conflito entre os diferentes públicos que utilizam as vias de trânsito, como o pedestre, o ciclista, o motociclista e o motorista de carro.

4 – Preconceito racial: Que alguns atletas ainda sofrem no meio esportivo, principalmente, em relação às torcidas que, em momentos de fúria, xingam jogadores com palavras preconceituosas, além de qualquer outra forma de preconceito racial, também pode ser um tema da redação do ENEM 2017.

5 – O conceito da família: Deste século, com o objetivo de debater sobre a adoção de crianças por casais homossexuais e sobre a nova norma na guarda compartilhada de crianças, quando os pais se divorciam.

6 – Dengue, Zica e Chikungunya: O tema pode pedir para falar dos novos casos das doenças, das campanhas de combate e sobre a conscientização da população. Os crescentes casos de microcefalia, que ainda não tem sua ligação comprovada com a transmissão do mosquito aedes aegypti.

7 – As campanhas de vacinação: Principalmente contra o Sarampo e o HPV, para meninas de até 13 anos de idade. Um assunto batido, mas que o estudante deve estar sempre preparado é sobre os problemas no Sistema Único de Saúde (SUS) como falta de médicos, atrasos, grandes filas de espera e falta de equipamentos, além do Programa Mais Médicos.

8 – O limite da estética e da saúde: Também é um bom assunto. Até onde o ser humano pode ir para atingir a sua exigência em relação à beleza. O busca pelo corpo perfeito, com dietas, cirurgias plásticas e produtos, tem limite?

9 – A sustentabilidade de empresas e o aquecimento global: São assuntos comuns nessa área. Mas, no Brasil, a Política Nacional de Resíduos Sólidos é um tema que agora está sendo muito debatido nos municípios do país. Então é importante saber sobre o que é essa política, o dever dos governos municipais e como a população pode cobrar a coleta seletiva.

10 – Justiça com as próprias mãos: Definições de justiça, casos de linchamentos, rebeldia com a ordem e segurança públicas são alguns pontos que abordam essa temática.

11 – Corrupção na Petrobras: É um assunto muito polêmico pois envolve nomes da política e de grandes empresas e gerou o estopim nas manifestações contra e a favor do atual governo brasileiro.

12 – Desigualdade étnica e de gênero: Os direitos conquistados, as lutas e reivindicações e as políticas públicas são alguns pontos que merecem ser estudados para entender a causa e argumentar com clareza.

13 – Liberdade de expressão e mídia: Tema bastante atual, a liberdade de imprensa tem sido muito discutida, principalmente após o ataque à revista francesa Charlie Hebdo em 2015. Pode-se refletir sobre os limites entre liberdade de expressão e respeito às diferenças ou respeito à verdade.

14 – Limites entre estética e saúde: Conhecem-se muitas doenças causadas por insatisfação corporal como anorexia, bulimia, depressão, compulsão alimentar e obesidade, além de consequências no convívio social como discriminação e baixa autoestima.

15 – Escândalo e corrupção na FIFA: Recentemente foi divulgada a prisão de diversas pessoas ligadas a FIFA e a esquemas de corrupção, na copa que foi realizada no Brasil e nas duas próximas. É bom ficar atento(a) a isso!

Considerações Finais

“A redação é de grande importância para todos, e se o Enem não a tivesse, muito se prejudicariam em vários aspectos”, diz Valmor Bolan, doutor em Sociologia e especialista em Gestão Universitária.

“A vantagem de se escrever bem é ajudar a todos se comunicarem melhor e compreender melhor a sua realidade de vida, por isso o Enem exige que cada aluno tenha uma boa redação. Todo esse esforço é para que todos alcancem maior capacidade crítica e criativa da realidade circundante”.

“Pude comprovar que não existe nada que venha sem esforço e sem muita determinação. A fórmula é apenas conhecer a estrutura da redação do Enem e praticar, escrever muitos textos e ficar atento ao que é preciso melhorar, nada mais”, garante José Wallyson de Barros Canuto, que tirou 920 ontos na redação.

Ainda sobre a redação, ele diz:

“Para os textos, eu costumava sempre fazer buscas na internet enquanto estava escrevendo as propostas que o curso me passava, às vezes eram três ou até mais por semana. Então, procurava situações históricas, frases e autores relevantes que pudessem me ajudar”.

Com informações da UOL e Renato Alves

3 Meses para o Enem – O que Fazer?
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA