Corpo e Mente – Como Atividades Físicas Melhoram a Memória?

0
167

Um estudo publicado pela revista Acta Psychologica avaliou os efeitos dos exercícios físicos para a memória e o resultado foi grandiosamente positivo – manter o hábito dessas atividades pode ser mais benéfico do que você imagina e vai além do fortalecimento muscular, já que influencia também na melhora da memória a longo prazo.

Para a pesquisa foram recrutadas 46 pessoas, sendo 29 mulheres e 17 homens. Eles foram distribuídos entre os ativos e os sedentários. No teste, era necessário memorizar 90 imagens, que eram classificadas como positivas, negativas e neutras. Depois, os grupos realizaram exercícios em uma academia.

Nesses exercícios físicos, a frequência cardíaca foi monitorada e coletas de salivas eram colhidas para detectar certos níveis de neurotransmissores vinculados ao estresse.

Ao voltar ao laboratório da pesquisa, os voluntários tiveram que visualizar 180 imagens, das quais 90 eram as originais. O grupo sedentário recordou apenas 50% das fotos e os praticantes de esportes conseguiram aproveitamento melhor – de 60%.

Lisa Weinberg é uma das principais autoras do estudo e avalia o exercício físico para a memória como “a investigação indica que as pessoas não precisam dedicar grandes quantidades de tempo para dar um impulso ao cérebro”.

Audrey Duarte também se envolveu no estudo e diz que “os resultados nos dão uma ideia de que áreas do cérebro podem apoiar benefícios da memória induzidos pelo exercício”.

Sobre Praticar Exercícios Físicos para a Memória

A prática de exercícios físicos está relacionada diretamente à qualidade de vida das pessoas. Logo, além disso, inclui também a questão da alimentação, que tem que ser balanceada e equilibrada, de forma a colaborar com o organismo e seus processos biológicos.

No caso da atividade física, por exemplo, ela é uma grande aliada da saúde de forma geral.

“O exercício físico aumenta a oxigenação cerebral, além de melhorar doenças que podem comprometer a memória, como a hipertensão arterial, o diabetes e as alterações do colesterol. Essas doenças podem levar a alterações da microcirculação cerebral”, diz Carla Jevoux, que é neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia.

Ela diz que o ideal é praticar atividades que são prazerosas, como a dança, por exemplo. Isso porque além de ser uma atividade física, ela também estimula o cérebro que precisa decorar os passos, novos movimentos e sequencias.

Sempre que for necessário aprender algo novo, o cérebro será obrigado a fazer novas conexões e isso é totalmente estimulante e benéfico ao processo de memorização.

“Caminhar, jogar, ler, dormir, socializar-se, aprofundar-se em seus interesses pessoais. Tudo isso parece e é prazeroso. Mas mais do que isso, estimula a saúde do cérebro”, diz a nutricionista clínica e esportiva Fernanda Alves Dias, que atua no Centro Mineiro de Medicina e Estética (Cemes), em Belo Horizonte.

A Sintonia Perfeita é Formada pelo Corpo e pela Mente

Um artigo publicado na revista Neurology mostrou que praticar exercícios físicos pode ser mais eficaz para a memória do que estimular de forma consciente atividades mentais. Pode não ser melhor, mas é equiparável porque ela é importante para o cérebro. O novo estudo foi comprovado pela University of Edinburgh, na Grã-Bretanha.

A pesquisa contou com mais de 700 voluntários que tinham mais de 70 anos.

Além disso, outros estudos tem mostrado que o segredo para uma vida longa e próspera tem a ver com manter a sintonia entre a mente e o corpo, ambos ativos. Logo, quanto mais você se exercita, mais a redução dos volumes das massas cinzenta e branca do cérebro, que são ligadas à memória e à cognição.

Com passar dos anos, as massas tendem a diminuir, como efeito natural do envelhecimento.

Ao entrevistar os idosos, os responsáveis pela pesquisa conseguiram identificar os principais hobbies, hábitos, a frequência de atividades físicas e outros comportamentos. Os resultados foram determinantes para mostrar que quem pratica atividades físicas tem maior volume de massa cinzenta e branca no cérebro.

Logo, esses voluntários também ficavam mais protegidos contra lesões no órgão.

Ainda conforme a pesquisa, existem hábitos que precisam ser retomados por todas as pessoas. Fernanda Alves Dias é nutricionista e elaborou alguns conceitos bastante simples.

Para ela, a tecnologia contribui para que o cérebro continue a se desenvolver, já que o mecanismo é cada vez mais atento aos pequenos detalhes. Mesmo assim, encontrar-se com amigos, bater papo e conversar proporciona o bem estar mental.

“É um período em que o cérebro descansa dos desafios e se recompõe para recomeçar mais ativo”.

Saber controlar e administrar as emoções também é benéfico para o cérebro porque ele consegue armazenar mais energia para usar quando realmente for necessário. Fazer atividades físicas com regularidade, caminhar, dançar, praticar esportes, malhar…

Tudo isso, somado ao equilíbrio nutricional, propicia o funcionamento regular das funções do cérebro, ela diz.

Reprodução: Google

Exercício Físico e o Raciocínio

Outros estudiosos que pesquisaram sobre a relação entre os exercícios físicos e o raciocínio são os da Irlanda, que pesquisaram um grupo de sedentários que eram estudantes do sexo masculino.

O teste funcionava assim: eles assistiram à projeção rápida de fotos, com rostos e nomes de pessoas desconhecidas. Depois de uma pausa, eles precisavam lembrar os nomes das pessoas que tinham acabado de ver, relacionando com as fotos.

Após isso eram submetidos à exercícios de bicicleta estacionária, em ritmos extenuantes, até que todos ficassem exaustos. Os outros ficavam em silêncio pelo período, descansando. Em seguida, os dois grupos fizeram mais um teste, com quebra-cabeças.

O resultado impressiona: os voluntários que fizeram exercícios tiveram desempenho significativo e melhor do que o outro grupo no teste de memória feito após a prática de tais atividades, enquanto que os voluntários que tinham descansado não melhoraram sua performance.

Entre um teste e outro também foram recolhidas amostras sanguíneas dos dois grupos e a análise laboratorial das amostras, que ofereceram explicações biológicas para o impulso na memória entre os exercícios.

Outros estudos, como alguns já citados aqui, também mostraram conclusões semelhantes entre pessoas, jovens e velhos.

Um estudo feito com animais também chegou ao mesmo resultado. Feito recentemente por cientistas brasileiros, eles usaram cobaias de laboratórios que foram obrigados a correr por apenas cinco minutos durante alguns dias da semana e em um período de cinco semanas.

Isso acionava o que os estudiosos chamam de “cascata de processos bioquímicos”. Depois do exercícios, os ratos mais velhos tiveram desempenho tão bom em testes de memória quanto os animais mais jovens.

Outro estudo também feito com animais, mas feito pelo Centro de Pesquisa Brain Injury da Universidade da Califórnia, em Los Angeles e foi publicado na revista “Neuroscience”.

A pesquisa mostrou que cobaias adultas autorizadas a exercitar-se à vontade durante uma semana tinham mais moléculas BDNF do que as pessoas cobaias sedentárias.

Por fim, vale citar ainda outro estudo, esse talvez o mais impressionante. Ele foi publicado na revista Transalational Psychiatry, onde estudantes da Escola de Medicina da Stanford University.

“À medida que envelhecem muitas pessoas acham mais difícil de executar tarefas qualificadas, como dirigir um automóvel, por exemplo”, diz Ahmad Salehi, professor associado da psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade de Stanford.

“No caso desta experiência, o declínio foi particularmente notável entre um grupo específico de homens. E como haviam sido feitos testes genéticos em todo o grupo, os cientistas descobriram que havia uma variação genética comum a uma parte dos pilotos e a esta combinação genética é conhecida por reduzir a atividade das moléculas BDNF no cérebro”.

As 10 Melhores Maneiras de Praticar o Raciocínio Lógico

O cérebro é um músculo como os outros, que precisa de exercícios para se manter em forma. Então, confira essas 10 dicas e descubra como fazer isso agora mesmo!

1 – Faça Coisas Novas: Quando você aprende ou experimenta algo novo, você estimula o seu cérebro. Já que o desconhecido não nos da a chance de saber o que vai acontecer. Essa atividade cria novas conexões dos neurônios, o que aumenta o seu conhecimento e a capacidade cognitiva.

2 – Faça Exercícios Físicos Regularmente: Isso já é provado cientificamente e os exercícios físicos aumentam as capacidades cerebrais e a saúde geral do seu cérebro.

3 – Treine a sua Memória: Quantas vezes sua memória já te deixou na mão? Esqueceu o nome daquele amigo que era tão amigo… Ou então, já fez você passar pelo terrível branco na hora de responder uma questão super importante na prova final da faculdade ou do concurso público.

Quando você desenvolve a memória, com a memorização de números de telefones, por exemplo, então isso te faz treinar a sua memória e as chances dessas situações citadas acima acontecer é minimizada.

4 – Se torne um Curioso: Ao invés de aceitar tudo passivamente, interrogue! As informações estão sendo jogadas no dia a dia, umas verdadeiras, mas nem todas. Desenvolva, pensando nisso, o hábito da curiosidade! Pesquise, questione e investigue na busca de coisas que te interessam.

5 – Pense de Forma Positiva: O estresse e a ansiedade são péssimos hábitos para a sua saúde e a do seu cérebro também. A tensão pode atrapalhar o raciocínio lógico, o que pode te impedir de pensar de maneira clara e objetiva.

6 – Tenha Hábitos Alimentares Saudáveis: As dietas saudáveis e equilibradas são essenciais para a saúde do corpo e da mente, da mesma forma que os exercícios físicos. Algumas sugestões são as frutas frescas, os vegetais, os peixes e alimentos que tem na composição o ômega 3.

7 – Crie o Hábito da Leitura: Além de essa atitude ajudar a aliviar a tensão e o estresse, também te ajuda no exercício da imaginação. E imaginação, como você sabe, tem tudo a ver com o raciocínio lógico.

8 – Tenha uma Boa Noite de Sono: Falando bem simplificadamente, podemos dizer que o descanso, a noite de sono, funciona como uma desintoxicação do cérebro. É nesse momento que o órgão regenera as células, remove as toxinas e prepara as tarefas do dia seguinte. Por isso, ele é tão importante.

Você já deve ter ouvido falar que uma boa noite de sono não substitui dias e dias de estudo sem cessar, não é? Pois é verdade! O descanso é necessário para o sucesso, em qualquer lugar.

9 – Esqueça o GPS: O Global Position System veio para ficar, infelizmente. Porém, o que estudos mostram é que com a popularização desse programa, as pessoas passaram a ignorar a importância de ter mapas mentais. E esse hábito, por mais ingênuo que pareça, ajuda a treinar a capacidade de noção espacial e de raciocínio lógico.

10 – Esqueça a Calculadora: Quando você aprendeu os primeiros passos da matemática, ainda na educação infantil, você não usava calculadora, não é mesmo? Isso prova que você pode manter o hábito. Claro que vão existir exceções, quando as contas forem muito extensas, no entanto, na maior parte, ela pode ser esquecida.Os 7 Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças

O 1º ponto importante é: deixar as crianças em um ambiente adequado, que favoreça a concentração, onde elas serão capazes de direcionar todos os sentidos para esse momento de aprendizagem.

Portanto, exercitar a memória tem que ser divertido, especialmente se a criança tiver entre 3 e 6 anos. Todos os exercícios que vamos propor aqui são recomendáveis para elas e é possível que se aumente a complexidade do desafio conforme a criança demonstrar mais facilidade para resolvê-lo.

1 – Jogo da Memória

São tradicionais e compostos por cartões de associações. Primeiro, eles são expostos para as crianças e depois virados para baixo, de modo que as imagens fiquem ocultas. A tarefa é usar um breve na qual a imagem ficou exposta para memorizar a posição de cada imagem.

Aí, depois de virados para baixo, o desafio é lembrar onde estão os pares certos, mesmo sem vê-los.

O jogo é simples e prático e, por isso, um dos mais aconselháveis. Além de se fácil de ser encontrado, você também pode se dispor a fabricar o próprio produto com as crianças, o que eleva o grau de interesse na brincadeira. Os materiais podem ser mínimos, como revistas, papéis, caneta, tesoura, entre outros.

2 – O Que Tinha Aqui?

Esse não é tão comum, mas também é simples. Coloque vários objetos em cima da mesa, como utensílios de cozinha, material escolar, brinquedos. Peça para a criança observar por um tempo àqueles objetos, com muita atenção. Depois, retire os objetos e deixe-os fora do campo de visão da criança. O desafio é que ela recorde tudo o que estava na mesa, trazendo-o de volta em cada acerto.

3 – Lembrar o Dia

É uma brincadeira que pode ser feita à noite, antes de dormir. Convide seu filho para se lembrar do passo a passo de tudo que aconteceu durante o dia. É um bom exercício de memória e também funciona para que ele viva as boas emoções do dia, notando o bom desempenho na prova ou à vista à cada de um amigo querido.

4 – O que Mudou?

É parecido com o jogo “O que tinha aqui”, no entanto, nessa brincadeira não tiramos todos os objetos da mesa. Depois que a criança tiver tempo suficiente para memorizar aquilo que foi exposto, ela pode se virar de costas ou fechar os olhos. Enquanto isso, algo tem que ser modificado de lugar, na disposição. Pode ser uma troca de lugar ou a ausência de um deles, por exemplo.

5 – Canções Infantis

As crianças, normalmente, adoram músicas infantis e isso pode ser usado em favor da memória deles. Um dos vários exercícios possíveis é escolher algumas músicas que eles sempre ouvem e deixa-las tocar até certo ponto, pare a música e peça para que eles continuem, completando a letra.

O jogo é simples, mas além de estimular a memória também busca a agilidade de pensamento e a atenção.

6 – O Jogo das Histórias

Se você tem o hábito de ler para o seu filho ou contar-lhe histórias, então pode treinar a memória dele fazendo o seguinte: comece contando aquela história que ele já sabe, só que em determinado momento você muda o contexto. Assim, ele vai saber que houve um erro e poderá buscar na memória qual era a história verdadeira, corrigindo o seu conto atual.

7 – Números de Telefones

Esse jogo é para as crianças maiores. Mas, dependendo da idade e do interesse, pode ser feito com menores também. O ideal é você escrever o nome da pessoa e o telefone na linha de baixo. Faça isso com vários números de telefones e nomes de pessoas.

Depois, peça para as crianças memorizar tais nomes e números. Ao fim, separe os nomes dos números, misture e peça para que encontre o número certo com o nome adequado, ligado a pessoa ao número do telefone.

Exercício Físico e o Estresse

É muito comum encontrarmos pessoas que se acalmam ao fazer uma caminhada e isso realmente é verdadeiro.

Quando estamos em um cotidiano exercendo nossas atividades, muitas vezes temos tensões que são criadas por causa das cobranças que recebemos, é o famoso estresse. Com os exercícios físicos, conseguimos dar mais atenção ao nosso corpo, podendo observar, por exemplo, os batimentos cardíacos.

A respiração correta também é importante para quando estamos ansiosos.

Estudos provam que até mesmo no dia de provas complicadas, os candidatos deveriam fazer atividades físicas. Afinal, nessa hora o coração bate rápido, a respiração fica curta, tremores no corpo, estresse… E tudo isso faz com que a memória fique prejudicada.

Sobre a atividade física, ela não deve ser feita apenas no dia da prova, mas tem que ser constante, diária ou, pelo menos, 3 vezes na semana. Estudos de Ohio mostraram que a prática de pedalar bicicleta, por exemplo, aumenta os processos de atenção, memória e concentração.

Teoria e Teóricos que Falam sobre a Importância das Atividades Físicas

Na literatura – baseado em estudos – existe uma forte relação entre o aumento da capacidade aeróbia e a melhora nas funções cognitivas, porém há controvérsias. Apesar disso, estudos epidemiológicos confirmam que pessoas ativas tem menos riscos de serem acometidas por disfunções mentais do que as sedentárias.

McAuley e Rudolph afirmam que o exercício contribui para a integridade cerebrovascular, com aumento no transporte de oxigênio para o cérebro, o que aumenta, por vez, o aumento da capacidade funcional e a melhora na qualidade de vida, de forma geral.

Além disso, cerca de 30% da população adulta dos Estados Unidos são acometidos por problemas relacionados ao sono, que pioram a qualidade de vida, aumentando riscos de acidentes.

A American Sleep Disorders Association diz que tem demonstrações sobre intervenções não-farmacológicas para a melhoria do sono, entre eles, a prática de exercícios. Um recente estudo realizado em São Paulo demonstrou que 28% das pessoas fisicamente ativa e mais de 72% das sedentárias reclamam da insônia e sonolência excessiva.

Sabe como a nossa memória poderá ser melhorada? Com a tecnologia! 

“Se você pudesse ter uma memória que fosse tão boa quanto a de um computador e ele gerencie as lembranças da sua vida? E se você pudesse se lembrar de todas as pessoas que você já encontrou na sua vida? Como pronunciar seus nomes, detalhes sobre suas famílias, seus esportes favoritos e até a última conversa que você teve com eles”? pergunta Gruder à plateia.

Bom, vale ressaltar algumas informações importantes, então, vamos por parte!

Tom Gruber é um dos criadores da Siri, a assistente virtual do iPhone e, conforme o texto acima, citado por ele, haverá uma integração da mente humana com as máquinas não é coisa de ficção cientifica ou filme de altas tecnologias.

Já o texto acima, que forma a opinião do especialista, foi proferida em uma palestra na conferência TED 2017. Na ocasião, Gruber falou sobre a inteligência artificial, que será ativo importante no aumento da capacidade de memorização dos seres humanos.

Para ele, o essencial é ter a liberdade de poder escolher o que será registrado e guardado ou não, o que nos fará, enquanto humanos, sermos dono e controladores da nossa privacidade.

Mas, ao mesmo tempo em que a tecnologia pode ser benéfica para o melhoramento da nossa memória, será que o uso excessivo da internet, das mídias sociais e dos Smartphones não pode prejudica-la? Vamos abordar tudo isso neste artigo, acompanhe!

Continue Lendo…

Com informações do ativo, vix, globo e edupersonal

Corpo e Mente – Como Atividades Físicas Melhoram a Memória?
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.