Tudo o que você tem que saber sobre o Enem 2018

0
278

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é o principal meio de ingresso para muitos alunos do ensino médio para o ensino superior, em universidades públicas e privadas. Em breve, os candidatos já podem se inscrever e é sobre isso que trataremos neste artigo.

As inscrições para o Enem 2018

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que é o responsável pelo Enem e tem vínculo ao Ministério da Educação (MEC), é quem faz e revisa as datas para o edital e as provas do Enem.

Dessa forma, ela já informou que o período de inscrições para o Enem neste ano deve partir do dia 8 de maio e vai até o dia 19 do mesmo mês.

Mas, somente com a divulgação do edital é que as inscrições são confirmadas na data correta.

Já quanto a divulgação do edital, ela precisa ser feita no Diário Oficial da União (DOU). E deve ser divulgado possivelmente no dia 10 de abril.

Como se inscrever no Enem 2018

Para fazer a inscrição do Enem 2018, o candidato vai precisar informar alguns dados e documentos pessoais. Confira a lista dos pedidos iniciais:

  • RG,
  • CPF,
  • CEP da Residência,
  • Contatos (telefones, e-mail).

As inscrições devem ser feitas sempre pelo site oficial do Enem (enem.inep.gov.br).

Durante a inscrição o aluno precisa informar algumas questões socioeconômicas, através de um questionário online.

O valor da taxa de inscrição do Enem 2018

Em 2017, o valor foi de 82 reais – e nos anos anteriores era de 68 reais.

Quando o candidato faz a sua inscrição, ele deve gerar um boleto logo ao final para que o pagamento da taxa de inscrição seja feito e efetuado.

O pagamento tem que ser feito até o vencimento estipulado e a inscrição fica indeferida em caso contrário.

Os estudantes de 2018 matriculados no último ano do ensino médio de escolas públicas podem ficar isentos do pagamento. E há outras formas de conseguir a isenção, dependendo da vulnerabilidade socioeconômica.

Essa isenção tem que ser solicitada no final da inscrição e o sistema vão informar sobre a concessão ou não do pedido. Confira mais informações sobre a isenção da taxa do Enem no tópico abaixo.

A isenção da taxa do Enem 2018

A Guia de Recolhimento da União (GRU) precisa ser paga ou ter a isenção.

Para estes casos, existem algumas especificidades.

Por exemplo, os candidatos cujas famílias têm renda per capita de até 1 salário mínimo e meio e que cursaram o ensino médio completo em escola pública ou como bolsistas de particulares podem ter o benefício.

Essa opção se refere também à declaração do imposto de renda do ano.

Outra possibilidade é quanto as pessoas inscritas no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal), que são beneficiadas por programas sociais como o Bolsa Família.

Para este caso, basta enviar uma cópia do cartão com o Número de Identificação Social (NIS) válido, onde o participante está inscrito no programa ou o documento do NIS.

Qual a data das provas do Enem 2018

O Exame passou a ser aplicado em 2 dias. Os dias das provas são em dois consecutivos, como aconteceu no último ano. E sabe-se que normalmente aplicado em outubro, mas com as eleições, tudo indica que ficará para novembro.

A data será informada pelo Inep no edital – mas, acredita-se que seja no início do mês, a partir do dia 4 de novembro e no dia 11, consecutivamente.

Já o resultado deve sair em dezembro deste ano, podendo se estender até janeiro de 2019.

A prova do Enem 2018

A prova deve se manter sem alterações. Sendo que serão testadas habilidades nas áreas de humanas (história, geografia, sociologia e filosofia), da natureza (biologia, física e química), exatas (matemática) e de linguagens.

Além disso, o candidato terá que produzir redações do gênero dissertativo-argumentativo, com propostas de intervenção para o problema abordado na prova – a regra é: ter no mínimo 8 e no máximo 30 linhas.

Aliás, como no ano passado, o Enem também não valerá como certificação do Ensino Médio e isso só poderá ser feito via Encceja.

Veja o que mudou no Enem de 2017 e que vai continuar em 2018

A mudança – para que a prova fosse feita em dois domingos consecutivos, ao invés de um sábado e um domingo, como era de costume.

Foi uma reivindicação dos sabatistas, que são religiosos que guardam o “sábado”, dia em que não é possível realizar nenhuma atividade, conforme costumes da religião.

O que acontecia? Os sabatistas entravam nas salas de aulas conforme horário previsto – as 13 horas. Porém, esperavam até o sol se por, que era por volta das 19 horas. Horário em que começavam a realizar a prova.

Por conta do transtorno temporal, muitos estudantes dessas religiões optavam por não realizar o exame.

Assim sendo, o MEC (Ministério da Educação) liberou uma consulta pública que foi realizada até o dia 17 de fevereiro e que podia ser respondida por qualquer pessoa, no site da instituição.

A consulta era sobre as possíveis mudanças necessárias do exame com foco nas datas da aplicação das provas. Mesmo porque, conforme o MEC, essa adaptação de tempo gerava um gasto de 646 mil reais ao ministério.

Em números, cada aluno sabatista gerava um gasto de 16,39 reais a mais do que um estudante de outra religião.

Dessa forma, o Enem, que é um dos exames com maior número de inscritos do mundo, concedeu a mudança nos dias de prova, levando em conta que mais de 600 mil pessoas responderam às questões da consulta pública.

O que não muda é a questão da segurança. O exame vai continuar recebendo os cadernos de provas personalizados, com o nome escrito na capa, juntamente com os cartões de respostas encartados.

Também vão continuar sendo 4 tipos de cadernos diferentes, divididos por cores.

Vale citar ainda que o candidato que obteve a isenção da taxa de inscrição e não comparecer à prova perderá o mesmo beneficio em 2018.

No entanto, haverá exceção quando o estudante conseguir justificar sua ausência por meio de um atestado médico ou documento oficial que comprove a impossibilidade de comparecer.

Quais as mudanças no quesito Redação do Enem 2017?

A principal mudança é que a redação não será mais aplicada no 2º dia de prova e sim no 1º, junto com linguagens, códigos e tecnologias.

Isso pode ser importante para o aluno porque diminui a imensa expectativa quanto ao tema e pode fazer diferença na organização dos alunos durante a prova.

Na redação são avaliados pontos importantes, como a escrita e a leitura do candidato, que são pontos importantes que podem leva-lo à uma vaga na Universidade Pública (Sisu), Universidade Particular (ProUni) ou Financiamento Estudantil (Fies).

Na visão de pedagogos, a mudança deixa o candidato mais tranquilo. “Este método de não realizar redação junto com as matérias de exatas já é usada em muitas escolas do país e é cada vez mais aprovada pelos alunos”.

Isso deve-se ao fato de que o aluno fica muito desgastado psicologicamente e também fisicamente quando há a redação e uma prova de exatas no mesmo dia.

Reprodução: Google

Como estudar para o Enem 2018

O roteiro é para mostrar como você pode agregar valor ao seu estudo com apenas algumas mudanças de hábitos simples. É como se fossem porto-seguros para você saber por onde está navegando. Confira!

Ler as questões dos concursos anteriores

Bem, diferente do que falamos acima, aqui não estamos dizendo para você resolver as provas anteriores e sim, ler!

Quando você apenas lê várias questões de uma única banca ou instituição, você identifica o padrão de prova que é feito.

Dessa maneira consegue até mesmo separar os níveis de dificuldade – e isso é importante para selecionar os materiais de estudo.

Quando lê, você também consegue observar a natureza do que está sendo cobrado. Será que é legislação, doutrina ou jurisprudência? É como se você fizessem uma sinopse do mercado.

Pode parecer uma perca de tempo, mas ao contrário te fará otimizar esforço. À medida que você lê mais questões de determinada banca, mais fácil você molda o seu estudo.

É como se você criasse uma relação com a banca, antes do dia da prova.

Priorizar os assuntos que serão estudados

O edital quase sempre é extenso – há uma lista quase que infinita de temas que vão cair na prova, não é verdade? Priorizar é saber o que tem que ser estudado primeiro e com qual proporção.

Porque, acredite, você não vai conseguir estudar tudo da mesma forma e com a mesma intensidade, logo, o jeito é selecionar os mais importantes.

Ah, e entenda que priorizar não é deixar umas coisas de lado, nada disso. Mas é dar mais importância para alguns temas que podem fazer a diferença na sua prova.

O que os especialistas dizem é para avançar com os estudos mais relevantes primeiro.

Para fazer essa análise, basta pensar nos seguintes itens: básico (análise de questões), intermediário (correlação indireta) e avançado (traçar o perfil ideológico da banca). A partir disso, você sabe o que precisa estudar com prioridade.

Se você tem base sólida para começar os estudos, basta usar técnicas eficientes para compreender bem os assuntos e não esquecer mais o que foi estudado.

Estudar com a compreensão elaborativa

Parece difícil, mas não é. Isso tem a ver com o fato de estudar da forma certa, sem ficar decorando fórmulas. A ideia é memoriza-la e isso tem a ver, por sua vez, com fixar o conteúdo no cérebro.

Note que estudar para concurso público ou para vestibulares é um planejamento de longo prazo. Logo, todas as técnicas tem que ser pensadas no longo prazo, também.

O melhor jeito de fazer isso é com a compreensão elaborativa, ou seja, você entender o que está estudando, como é feito, por que é assim… Isso tudo tem a ver com a memorização.

Grifar o texto com caneta marca-texto (e fazer anotações)

Esse é um método muito usado pelos estudantes e, na real, costuma gerar bons resultados.

No momento que você está lendo um livro, é ideal que você anote partes importantes para revisar depois. Uma das formas de fazer isso é grifando o que é essencial para a compreensão do estudo.

Em 2013, foi publicada uma pesquisa na revista científica psychological Science in the public interest e mostrou que a técnica de grifar partes importantes de um texto é pouco efetiva se você não fizer isso da forma certa.

Porque, além de grifar o texto, a recomendação é copiar os trechos para um caderno.

Quando você transcreve para o livro para uma leitura futura, então, o conteúdo fica melhor fixado na sua memória.

Calendário de Estudos

Se você sabe o que é prioridade no seu estudo, será necessário criar um calendário.

  • O que você vai estudar?
  • Quando?
  • Qual horário?
  • De que forma?

Lembre-se que quanto mais eficiente e detalhado for esse calendário, melhor para o seu desempenho porque ele vai funcionar como um guia para o seu estudo. Esse é um método eficiente quando o aluno é organizado e metódico.

Explique o conteúdo a você mesmo

Após fazer uma leitura de um capítulo ou de um tema, faça uma auto explicação. Assim, você cria perguntas e você mesmo responde ou você faz uma explanação de uma aula, como se fosse um professor.

Quando fazemos esse stand up falando sobre um assunto pensamos mais nele e damos enfoque diferente do que quando apenas lemos. Essa atividade nos ajuda a fixar o conteúdo porque linkamos o que já conhecemos com as novas informações.

Agora, não vale você falar o que acabou de ler. Você deve explicar com as suas próprias palavras, está bem? Exatamente como se fosse um professor.

Uma forma mais efetiva de fazer isso é explicando o tema a outras pessoas. Monte um grupo de estudos e combine de fazer apresentações periódicas, onde cada um poderá falar sobre um tema – essa é uma ótima forma de aprender conteúdos.

E priorize fazer isso com aquele tema que você tem dificuldades porque a explicação é um excelente método para gravar informações. Na hora da prova você vai se lembrar daquela aula que deu, pode ter certeza!

Faça intercalação de disciplinas diferentes

Alguns estudantes dizem que ler todo conteúdo de um único tema é melhor para só depois passar para outro. Mas, não é que as pesquisas têm demonstrado. A atitude não é funcional porque não deixa que seu cérebro acesse a memória de longo prazo.

O mais recomendável é intercalar as matérias – mesmo porque dessa forma a sua rotina de estudos não fica monótona.

Quando mais assuntos novos vermos, mais nossa atenção é fixada. Se você está a muito tempo em uma única disciplina, então, pode ser que você comece a se distrair com mais facilidade.

Faça resumos periodicamente

É provável que esse seja o método de estudo mais antigo – ao que se tem noticias.

Ao reescrever um texto colocando nele o que é essencial, você não perde tempo com aquilo que não precisa ser fixado no seu cérebro.

O importante é fazer isso com as suas próprias palavras. Isso força o cérebro a entender o conteúdo e gravá-lo automaticamente.

Faça simulados de tempos em tempos

Se no primeiro tópico deste artigo falamos em ler o assunto e as provas anteriores, agora estamos recomendando fazer simulados para testar o que você aprendeu.

Os testes costumam ser práticos e de grande utilidade para que você consiga guardar um conteúdo e saber quais são as dificuldades.

Pesquisadores afirmam que a funcionalidade está no fato de ver a matéria várias vezes e de várias formas. Claro que quanto mais testes você faz, melhor você fica.

Crie imagens e desenhos mentais

O ser humano, na maior parte das vezes, tem muita facilidade em associar coisas e conteúdos a imagens e isso é excelente para o cérebro.

Quando um professor está falando sobre um assunto, faça essas associações porque isso ajuda a formar uma narrativa. Além disso, você consegue organizar melhor as informações de uma maneira lógica.

Também está comprovado em pesquisas que esse método não é eficiente para todas as pessoas. O ideal é ver se ele funciona para você.

O melhor cronograma para treinar o tempo de prova

Especialistas recomendam estudar, ao menos, 3 horas por dia, mesmo que seja ume estudo seguido ou separado em partes. Por exemplo, mesmo que o estudante não tenha 3 horas corridas, poderá estudar 30 minutos no ônibus no caminho até algum lugar ou 30 minutos antes de dormir, por exemplo. E assim por diante.

O ideal é começar pelas matérias que são consideradas mais difíceis pelo candidato. “Já que é nesse momento que o aluno terá mais energia e disposição para conseguir compreender o que é considerado complicado por ele”.

Após cada período de estudo, é aconselhável fazer os exercícios, levando em conta que a revisão é uma boa técnica para colaborar com a memorização do conteúdo.

A leitura também é parte importante, tanto nas matérias de linguagens quanto em matemática. “O aluno precisa entender o que está sendo pedido”. Comece lendo livros de gêneros que você goste, passe pelo noticiário local e nacional e aposte também em revistas.

A leitura de jornais e revistas é essencial porque o Enem aposta muito em temas atuais, como os relacionados aos direitos humanos, cultura social e religião.

Além da revisão, é preciso fazer também um resumo de cada tema ou de cada assunto que foi lido e estudado.

Isso também colabora muito com a memorização de palavras e fórmulas. Portanto, é simples: leu um livro, faça um resumo citando os principais personagens e sem perder o enredo da história.

Outra dica sustentável é fazer post it com fórmulas ou palavras-chaves importantes e colar em lugares onde é possível visualizar de maneira frequente.

Essa é outra técnica de memorização que pode ajudar o candidato durante o estudo.

Por fim, vale ressaltar que o melhor cronograma é aquele que leva em conta o tempo de descanso.

O estudante usa muito da parte emocional e dormir, ao menos 8 horas, é sumamente importante, além de levar em conta o lazer e a cultura, o que dará mais energia para a rotina de estudos.

Bônus – ENEM é porta de entrada para Estudar no Exterior

Como já visto, o ENEM cria a possibilidade de o estudante entrar em uma universidade pública pelo SISU ou tentar uma bolsa de estudos pelo ProUni ou o Financiamento (FIES), se cumprir todos os requisitos para tal.

Se você ainda não entende muito bem esses sistemas, vamos simplificar para você: o Sisu seleciona candidatos à uma vaga em uma Universidade Pública por meio da nota do ENEM.

Em 2015, por exemplo, 58 universidade aderiram à esse sistema, sendo que ao todo são 63 instituições públicas no país.

Já o Prouni usa a nota do ENEM para incentivar o aluno à ir para uma universidade particular, com bolsas parciais ou integrais. Em 2015, mais de 1 mil universidades particulares aderiram ao sistema.

Fora isso, algumas faculdades, tanto públicas quanto privadas, também considerada a nota do Enem como porta de entrada para seus cursos superiores. Ou seja, elas não fazem um processo seletivo próprio e usam o ENEM para tal.

Assim, cada uma tem seu próprio critério. Ao todo, e até então, 7 universidades aceitam tal processo, são elas:

  1. Centro Educacional Anhanguera,
  2. Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)
  3. Universidade de Franca (UNIFRAN)
  4. Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)
  5. União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME)
  6. Faculdade Pitágoras
  7. Universidade Estácio de Sá

Além disso, as universidades estrangeiras, tais como essas portuguesas citadas acima, também costumam aceitar tal nota para o ingresso do aluno.

Confira as outras 18 Instituições que já aceitam tal modelo, além das já citadas:

  1. Universidade de Coimbra,
  2. Universidade de Algarve,
  3. Instituto Politécnico de Leiria,
  4. Instituto Politécnico de Beja,
  5. Instituto Politécnico do Porto,
  6. Instituto Politécnico de Portalegre,
  7. Instituto Politécnico de Cávado e do Ave,
  8. Instituto Politécnico de Coimbra,
  9. Instituto Politécnico Guarda,
  10. Universidade de Aveiro,
  11. Universidade de Lisboa,
  12. Universidade de Porto,
  13. Universidade da Madeira,
  14. Instituto Politécnico de Viseu,
  15. Instituto Politécnico de Santarém,
  16. Universidade dos Açores,
  17. Universidade da Beira Interior,
  18. Universidade do Minho.

Passou e não sabe como se comportar?

Thayna Linhares é uma carioca que conseguiu o êxito de ir estudar em Portugal. Então, criou um canal de vídeos onde publica sua rotina no país europeu.

Em um desses vídeos, ela comenta sobre algumas burocracias dessa viagem, mas explica muito bem que tudo vale a pena.

Entre os documentos necessários estão: identidade e passaporte, declaração do ensino médio, nota do Enem, seguro saúde e vacina antitetânica.

Isso sem contar com o visto temporário de residência na embaixada portuguesa.

“O documento tem validade de 120 dias e no caso da Universidade Coimbra, por exemplo, é preciso solicitar a carteira de residência, que tem validade de 12 meses e depois ir pedindo a renovação”, ela conta.

De posse com a autorização de residência, é possível encontrar trabalho part ou full time, além de estágios remunerados.

Aí, vai ser preciso ficar atento aos horários das aulas e também ao ano letivo, que lá tem início em setembro. Depois, as férias acontecem em 3 períodos: natal e páscoa, que duram 15 dias e as de verão que duram 2 meses.

Com informações do enem2018

Tudo o que você tem que saber sobre o Enem 2018
Vote nesse post

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.