Existem Situações Especiais para Estudar para Concursos Públicos: Descubra-as!

0
6

Na hora de estudar para concurso público é preciso levar em conta as “situações especiais”. Por exemplo, qual é o certo a se fazer durante os finais de semana e os feriados? E quanto ao período: estudar a noite faz mal para o aprendizado? Se ficar preso no trânsito, será que vale a pena ficar algumas horas sem dormir para por o estudo em dia?

Essas respostas e muitas outras estão no decorrer deste artigo, continue lendo.

Quantas pessoas você conhece que estudam muito (muito mesmo, cerca de 10 ou 12 horas diárias), mas não conseguem alcançar o objetivo final – que é passar em um concurso público.

“São muitos os fatores que contribuem para que o estudo tenha qualidade – independente da quantidade de horas que seja destinada para ele. Os fundamentais são: concentração, método, ambiente e motivação”, afirma o especialista em concursos públicos William Douglas.

Antes de falar das situações especiais, vamos considerar os tópicos citados acima.

Concentração

Sem ela é impossível ter um bom rendimento no estudo.

“Se a cada distração o concurseiro emendar outra atividade e for deixando o estudo de lado, o dia vai ter acabado sem que ele tenha conseguido rever a matéria satisfatoriamente”, avisa William.

Se isso acontecer, o aluno sempre vai se cobrar um preço no dia seguinte – já que o estudo acumulado pode gerar uma somatória de fatores psicológicos e emocionais, como a ansiedade.

Método

Para William Douglas, junto com a técnica, o método também é essencial.

“O ideal é que o candidato desenvolva suas próprias técnicas após ter analisado as que estão disponíveis e são recomendadas”, afirma.

Assim, ele diz que à essa situação, dá-se o nome de personalização. Logo, quanto mais personalizado é o estudo, melhores e mais rápidos são os resultados.

“Ter um método ajuda o estudo a ser mais eficiente e, consequentemente, mais ágil. Ou seja, mais conhecimento em menos tempo”, finaliza o pensamento.

Ambiente

Ter um ambiente adequado para estudar é um grande diferencial para conseguir o mínimo que é exigido para um estudo levado à sério e que visa bons resultados.

Motivação

É o item mais importante, para Douglas. “Ter motivação é a diferença entre percorrer aquela milha extra no estudo ou fazer só o mínimo necessário”, diz.

É a motivação que vai fazer o concurseiro abrir mão de parte do lazer, dos muitos amigos que tem e das atividades corriqueiras. A motivação reduz a ansiedade também, e aumenta a produtividade.

“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo”, Winston Churchill.

Você já tem um objetivo e isso é fundamentalmente importante. Ótimo. Mas, diga-me: para que você quer passar no concurso público da Polícia Federal neste ano? Definir os motivos que te leva a estudar é um peso que precisa ser somado positivamente.

A pergunta é muito importante no que diz respeito à motivação. Quer ver só?

“Quero passar no concurso público para conseguir dar uma vida melhor e mais segura aos meus filhos, que atualmente estão em fase de desenvolvimento, partindo para a adolescência”.

Isso é bastante convincente, não é? Afinal, quem não quer dar uma vida melhor aos filhos?

E agora, vendo os filhos passaram dificuldades e sabendo que o concurso público poderia gerar resultados diferentes à ele, será que um pai de família não tem motivos suficientes para levar o estudo à sério?

Isso é motivação!

Ou seja, motivação nada mais é do que ter motivos suficientes para conseguir fazer algo ou alcançar um objetivo.

.Ah, você sabe, né, tudo na vida tem um preço. Estudar não é tarefa fácil, não mesmo. Mas, se feito com dedicação e motivação, o resultado logo aparece.

O importante, neste tópico, é observar o quanto é preciso ter motivação para continuar nos estudos, porque ele é cíclico.

O estudante não vai lidar com os números e as letras apenas algumas semanas, alguns dias, algumas horas.

É ao contrário – o estudo é contínuo.

Quando mais estudar, mais o aluno tem que lidar com o estudo. E não estamos falando apenas em disciplinas de editais porque a “atualidade” é inconstante.

Se você acha que melhorar a vida dos filhos não é motivo suficiente, encontre outros que seja. Porque isso é realmente importante para o seu sucesso, que passa, obviamente, pela facilidade em lidar com o estudo.

Estude fácil, estude simples e motive-se a cada dia.

Antes de terminar esse tópico, vale também um adendo: segurança e estabilidade são ótimos motivos para se prestar um concurso público, mas existem muitos outros por trás desse desejo implantado na nossa sociedade.

Se você ainda não conseguiu encontrar sua motivação, veja o vídeo abaixo:

Qualidade do Estudo

Douglas fala que a qualidade do estudo é sempre o mais importante. E isso é importante para quando formos falar das situações especiais.

“Em vez de perguntar o quanto deve estudar, se questione sobre o que deve fazer para aprimorar e otimizar o tempo destinado ao estudo. Quem se preocupa apenas com quantas horas, esquece do desperdício de tempo de estudo por causa de sua baixa qualidade”.

Para outro especialista, Waldir Santos, isso envolve a lei do menor esforço e a busca pela melhor relação entre o custo/benefício.

“O compromisso com a aprovação deve ser, mais do que qualquer outra pessoa, do candidato. Ele será o maior beneficiado com a aprovação e por isso deve ter em mente a busca pelo aperfeiçoamento”.

Para ele, o número ideal de horas de estudos é o máximo que você puder, levando em conta que quanto maior a dedicação mais rapidamente ocorrerá a aprovação.

“À medida que você vai fazendo provas e vendo que poderia acertar mais com um pouco mais de estudo, a preparação vai se tornando um processo cada vez mais estimulando e até prazeroso, de maneira que você deixará de pensar em falsas comodidades”, avisa.

E as Situações Especiais?

Está estudando para uma prova e resolveu mudar?

Uma das situações especiais que podemos citar é sobre a mudança de concurso público, por exemplo: imagine que você estava prestando provas de magistratura estadual e decide fazer o concurso público para o Ministério Público Estadual

Então, o que fazer? Faça isso!

Essas matérias são afins, assim, o concurseiro do edital do MP apenas precisa diferenciar as especificações e refazer a sua rotina de estudos, inserindo nela as disciplinas.

Levando a mesma situação em questão, se o candidato pretende fazer o concurso da Magistratura Federal, aí sim haverá um problema, já que as matérias não são afins, mudando, inclusive, a banca examinadora.

Quanto à nova rotina, estudos indicam que após 4 semanas é possível que seu cérebro pegue novamente o ritmo. Inclusive, isso acontece quando você tira uma “férias”, nunca se deve ficar mais do que 4 semanas sem estudar para não acontecer a dependência literária.

Chegou os Finais de Semana e o Feriado?

Aqui vai valer a teoria da qualidade. O mais aconselhável é que o aluno estudo até os sábados no período da manhã. Depois disso, deve fazer um descanso até a segunda-feira.

Como visto, o tempo de estudo ideal varia de pessoa para pessoa, tendo que ficar de acordo com a disponibilidade do candidato, mas sempre preciso avaliar a bagagem de conhecimento e a necessidade individual de horas de estudo.

Conseguiu um emprego e faltou tempo?

Na opinião dos especialistas, não há unanimidade sobre qual é a melhor forma de se preparar. A maioria dos estudantes opta pelo curso presencial, mas nem sempre isso é possível, levando em conta justamente a falta de tempo.

Essa rotina exige muita disciplina, mas pode trazer benefícios, como a economia de tempo, de dinheiro e a facilidade em conseguir seguir o próprio ritmo.

Estou Sozinho, qual material usar?

Esse é outro questionamento importante a se fazer – a melhor forma de escolher o material é conversando com outras pessoas na mesma situação e participar de fóruns. A troca de experiência para ser determinante para decidir qual o melhor material.

Estudar à Distância Pode Dar Certo?

Lia Salgado é especialista em Concursos Públicos e fala sobre o medo que certas pessoas têm na hora de estudar sozinho, em casa, por vídeos.

“É possível estudar sozinho e muitos candidatos foram aprovados (em concursos top) sem nunca ter pisado num curso preparatório”.

Ela diz que a maior parte das pessoas que começa a pensar em concurso público não sabe por onde começar devido ao grande número de caminhos que existem na atualidade para chegar à esse sucesso profissional.

  • É mesmo necessário entrar em um curso preparatório?
  • Posso estudar por apostilas?
  • O curso online tem a mesma validade do presencial?
  • Estudar com colegas é interessante?
  • Preciso ter um consultor?
  • Posso estudar sozinho?

“Em primeiro lugar, não há jeito certo ou errado. O mais importante é o que funciona para cada um. Como as pessoas têm diferentes perfis, diferentes métodos podem ser adequados”, ela garante.

“Além disso, muitos deles podem ser conjugados, simultaneamente ou em etapas diferentes da preparação, conforme o candidato for ficando mais maduro e autossuficiente”, ela complementa.

Para ela, quem estuda sozinho precisa ter um perfil especifico, de uma pessoa que tenha disciplina e determinação para vencer as dificuldades.

“Normalmente, são pessoas que, em algum momento de sua vida escolar, já fizeram concursos e têm o costume de enfrentar grandes quantidades de conteúdos novos sem a ajuda de um professor”.

Sobre os Cursos Online ou as Vídeoaulas, a Salgado diz que eles estão sendo cada vez mais difundidos e “tem a mesma qualidade dos cursos presenciais”. Além disso, ela cita algumas vantagens:

  • Evitam o deslocamento do aluno (Ganho em Custo e em Segurança),
  • Podem ser assistidos em qualquer horário e repetidas vezes.

“São a solução para quem está longe de um grande centro e não tem curso preparatório de qualidade na redondeza. Também funciona para quem tem horário de trabalho irregular ou em escala, o que dificulta acompanhar o curso presencial”.

Por fim, a especialista dá duas dicas de ouro:

– “É preciso ter disciplina. Uma sugestão é marcar dias e hora para as aulas, de acordo com a rotina do aluno para ter maior proveito”.

– “É importante fazer anotações como se estivesse em uma sala de aula, para depois preparar um bom material de revisões”.

Por que o Ensino à Distância tem dado certo no Brasil?

Sidinei Rossi é gestor de cursos técnicos do Senac EAD e cedeu uma entrevista que foi publicada na internet onde falar sobre o ensino à distância.

Ele comenta que seja pela ampliação do acesso às tecnologias, pela flexibilidade de tempo ou questões logísticas ou até mesmo devido ao custo reduzido, o EAD tem crescido potencialmente nos últimos anos.

As informações estão comprovadas em uma pesquisa feita pela Educa Insights, que mostra que esse formato de ensino acumulou crescimento de 11,1% entre 2010 e 2015, de modo que a previsão é a de que em 2023 a modalidade corresponda à mais de 50% do mercado geral.

Confira trechos da entrevista e da opinião do especialista sobre o crescimento do EAD.

Reprodução: Google

O Sucesso EAD está ligado à qual fator no Brasil?

Por ser um país continental existem desafios significativos para levar a educação a todas as partes do país e a Educação a Distância é uma boa alternativa.

Além disso, o formato atende um público que, cada vez mais, tem dificuldade de deslocamento e se preocupa com os custos logísticos, sem contar com outras questões como a comodidade de estudar em casa, por exemplo.

Outro fator importante é que o EAD tem possibilitado a qualificação profissional constante para pessoas que têm dificuldades de tempo, tornando a modalidade mais acessível com o uso mais intenso da tecnologia pelos estudantes brasileiros.

Aprender mais Fácil e Mais Rápido – Apenas para quem Está na Reta Final

Etapa Final dos Estudos para uma Prova Difícil sempre gera dúvidas nos estudantes – o melhor é fazer a revisão, resumos, aprender assuntos novos?

A questão central gira em torno do: o que fazer para passar no concurso público? Fizemos uma lista com as verdadeiras chances reais de passar em qualquer prova, confira.

Ao que se sabe, a maior parte dos concurseiros que têm sucesso, estudam na média de 6 meses à 1 ano antes de prestar o tal concurso público.

Esse dado é importante, mas é apenas uma média. Obviamente, se você estudar faltando apenas 1 mês para a prova, fica mais difícil conseguir a tão sonhada vaga.

Além disso, há de se considerar também que para além da conta acima, o aluno também precisa averiguar seu histórico: se já prestou concursos públicos antes, se já estudou esses temas relacionados, se tem um conhecimento de alto nível, se gosta de ler muito, etc.

Essas são perguntas importantes, já que pode selecionar um pouco mais os candidatos. Mas, na real, também podem criar exceções nas regras e não é difícil encontrar histórias de sucessos por quem nunca prestou concursos anteriormente.

Para se ter uma ideia, vale também analisar até mesmo a forma de estudo – se é em um cursinho preparatório, sozinho, com vídeo aulas, apostilas, audiobook…?

Cada pessoa tem o seu perfil próprio para estudo e umas tem mais facilidade do que outras. Isso também é importante, mas não é tudo.

Bom, o que queremos dizer, com essa breve introdução, é que muitas fatores podem e sim influenciam no resultado final do estudante.

Mas, isoladamente, eles não representam números positivos. A grande dica deste artigo é selecionar pontos importantes que te levarão ao sucesso, mas não sem antes analisar o todo.

Você não deve estudar 10 horas por dia, se não tirar uma parte desse tempo para fazer exercícios, com questões de provas anteriores, e por em prática aquilo que aprendeu na teoria. Esse seria um erro fatal.

Assim como não deve estudar 10 horas por dia e não praticar exercícios físicos, que aumentam a potencialização do cérebro, deixando o estudo mais otimizado, mais plausível e mais eficaz.

Entenda que o concurseiro preparado é aquele que consegue “fazer um pouco de tudo”, mas fazer bem feito.

Ele faz exercícios físicos, tem sessões de terapias ou relaxamento, faz exercícios de provas anteriores, aposta em mapas mentais, resumos, resenhas, dorme bem, alimenta-se bem e por aí.

O candidato preparado é aquele que sabe o que quer e tem certeza que o estilo de vida influenciará no resultado final.

Sobre as Bancas Examinadoras

Elas são as responsáveis pela elaboração, divulgação e organização do concurso público. Normalmente, é composta por professores permanentes ou contratam alguns especificamente para a elaboração das questões das provas.

No país existem várias bancas e, por isso, é tão importante conhecer cada uma delas, conforme o concurso a ser prestado. Se você já sabe qual é a sua prova, confira abaixo as informações preliminares de cada uma delas.

Quanto à criação das provas dos concursos públicos, o órgão passa à banca organizadora o perfil do candidato desejado e com esse limite de proficiência mínimo estabelecido, caberá a banca desenhar o processo de forma eficiente.

Quanto maior é o processo, menor é o risco de alguém não ter as habilidades necessárias e exigidas. Ao menos, na teoria.

Assim, por mais rigorosa que seja a avaliação, sempre o candidato vai ter chances estatísticas de passar e outros de não serem aprovados, por inaptidão.

Para ir um pouco mais além, e falando em termos informais, algumas pesquisas indicam que, na média, a cada 20 concursos públicos, existe 1 sortudo dentro todas as vagas, ou seja, alguém que passou “por sorte”.

Esse número representa uma porcentagem de 0,05%. Mas, isso não quer dizer que ele não sabia nada, mas que tinha o mínimo para ter sucesso.

Portanto, a outra grande parte, que á maior parte, representa as pessoas que estudaram muito, inclusive, buscaram conhecimentos sobre as bancas.

Reprodução: Google

 

Com informações da UOL, WilliamDouglas e Tudosobreconcursos

Existem Situações Especiais para Estudar para Concursos Públicos: Descubra-as!
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA