Tomar remédio para fazer a prova – vale a pena?

0
2998

O artigo de hoje é bastante sério, ainda porque vamos entrar em um mundo que precisa de muita cautela: a saúde dos estudantes. A pergunta é simples de ser feita, mas difícil de ser respondida: tomar remédio para fazer a prova faz mal?

Vamos começar falando sobre casos reais sobre isso: pessoas que tomam propranolol antes da prova afirmam que a medicação é usada para evitar a ansiedade pré-prova. Isso realmente se prova pelo fato dele ser usado para pessoas com hipertensão.

Claro que não temos a formação em medicina e, portanto, nenhum remédio será indicado por nós. O que estamos contando é um relato, um acontecimento real e, por isso, não entendam como se fosse uma indicação clínica.

O assunto é importante porque há casos e mais casos de pessoas que tomam esses remédios, misturam com outro, tomam café, energético e fazem uma mistura intensa no organismo. Obviamente, isso não é indicado para o dia da prova.

A questão a ser considerada é que os efeitos colaterais disso podem ser mais intensos do que as pessoas imaginam.

Ah, ao final do texto, para não te deixar na mão, teremos algumas dicas realmente eficazes e TOTALMENTE SAUDÁVEIS para você controlar a ansiedade no dia da prova. Não deixe de ler!

O uso de medicamentos na hora da prova, segundo neurologistas

Os profissionais da saúde, em totalidade, afirmam que todos os remédios usados na hora da prova só devem ser consumidos sob recomendação médica. E que a única forma saudável de relaxar para o dia da prova é dormir bem na noite anterior.

Rosamaria Guimarães é neurologista da AMMG (Associação Médica de Minas Gerais) e diz que o sentimento de ansiedade é normal.

“Até nós, médicos, tomamos algum remédio de efeito temporário para ficarmos calmos quando damos palestras”, ela diz.

Porém, nesses casos, eles usam gotas de ansiolíticos sintéticos, que duram por pouco tempo, exatamente como faz o clonazepam.

Na opinião dela, porém, nem todo mundo pode tomar esse medicamento.

Além dessa classe de remédios, também há os betabloqueadores, como o já citado atenolol e a propranolol.

“Eles abaixam a frequência cardíaca e tiram o tremor das mãos, o suor frio e não causam sonolência que é uma possível reação de clonazepan. Mas podem levar a queda da pressão sanguínea. O ideal é ir até um especialista para ver se há contraindicações”, afirma.

Quem tem asma, por exemplo, poderia sofrer uma crise ainda mais acentuada com os princípios ativos desses medicamentos.

Raimundo de Sá é outro neurologista que mantém a mesma opinião sobre esses remédios.

“Esses remédios não trazem ganhos ao raciocínio, é evidente que a droga tenha o poder de deixar a pessoa ligada por mais tempo, o que fará com que ela tenha mais tempo para estudar e consequentemente aumentar a probabilidade de aprender”, ele afirma.

“Só que isso não significa que vá melhorar o raciocínio instantaneamente”, orienta.

Especificamente quanto à Ritalina, Rosamaria também afirma que não há benefícios confiáveis.

“Muitos candidatos acham que tomar ritalina (um remédio que estimula o sistema nervoso) ajuda. Só que isso não funciona. Ele causa efeito apenas em pacientes com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e com narcolepsia”, garante.

Para Sá, o medicamento ainda traz riscos.

“A ritalina ou metilfenidato são derivados da anfetamina, que é um estimulante para o sistema nervoso, tem o mesmo mecanismo de qualquer estimulante, inclusive a cocaína, aumentando a concentração de dopamina nas sinapses”, ele diz.

“O uso sem indicação médica pode ser letal para as pessoas com problemas cardíacos, além disso, a medicação pode desencadear dependência física e química e pode causar instabilidade emocional e agressividade”, explicou.

A médica Rosamaria diz que quem opta por tomar esses remédios deve fazer uma semana antes da prova para testar se há benefícios – nem sempre se sabe como o corpo vai reagir a isso.

“Pílula de cafeína e energéticos podem deixar a pessoa momentaneamente mais alerta, mas não necessariamente mais atenta. Misturar energético com ansiolítico é totalmente desaconselhável. Cria uma situação artificial no corpo e isso desregula o organismo”, conta.

Efeito oposto – remédios podem diminuir rendimento intelectual, dizem médicos

“A pessoa fica sem sono para poder estudar mais, por mais tempo. Mas, apesar de ficar acordada, o rendimento intelectual não é o adequado”, afirma Dartiu Xavier da Silveira, que é do Programa de Orientação e Atendimento ao Dependente (Proad) da Unifesp.

“O remédio prejudica a concentração, a memória e sua capacidade de reter informação vão ficar diminuídas”.

Ele conta que existem mais de 20 fórmulas disponíveis no mercado, sendo que a maioria são de uso controlado.

“O candidato pode ficar paranoico, ouvir vozes e passar a interpretar a realidade de forma errônea. Alguns não conseguem mais dormir”, conta.

Além de tudo, há riscos que estão inseridos nessas substâncias, separamos os principais:

  • Tolerância – nem todo mundo é tolerante aos químicos presentes,
  • Dependência – eles podem tornar-se dependentes, como as drogas fazem,
  • Abstinência – as pessoas podem sentir falta se pararem de tomar,
  • Interação – eles podem interagir de forma negativa com outros remédios,
  • Insônia – pode haver o rebote da insônia, que é quando você para de toma-los,
  • Problemas – eles podem mascarar problemas mais sérios, como distúrbios.

Ainda há casos de pessoas que tiveram reações alérgicas, inchaços, lapsos de memória, alucinações, pensamentos suicidas, ações e comportamentos complexos ao sono, entre outras.

Comércio ilegal de remédios tarja preta

A tentação de ter melhores resultados na prova – e conseguir isso sempre precisar ir à um médico – faz com que muitas pessoas recorram ao comércio ilegal de medicamentos.

Conforme o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania do governo estadual paulista, a ritalina apareceu, pela primeira vez, entre os remédios apreendidos nas operações policiais.

Paulo Alberto Mendes Pereira, que é delegado-assistente da 2ª Delegacia de Saúde Pública da capital, em uma das operações 7 pessoas foram presas acusadas de vender tais medicamentos que são controlados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Nós identificamos pessoas que compraram o medicamento de forma clandestina e já ouvimos alguns que disseram que era para o filho. Mas, recebemos essa informação com reserva, porque a pessoa que vai comprar um produto controlado faz isso de maneira legal”, disse.

Pereira diz que comprar remédios que exigem receita de forma irregular pode configurar em porte de entorpecente para uso próprio.

Reprodução: Google

O Controle da Ansiedade

Para sintetizar o assunto da ansiedade, o jeito é mudar hábitos comportamentais e fazer atividades físicas, incluindo o pensamento positivo, otimista e deixar a emoção de lado.

Saray Azenha é diretora pedagógica da Oficina do Estudante e afirma que o esporte ajuda a conter a ansiedade em época de estudos – “exercitar-se ativa os hormônios, como a adrenalina, responsável pela sensação de euforia e a endorfina, que causa bem-estar”.

“Para relaxar, tento dormir cedo para estar bem no dia seguinte. Meu passatempo é o celular e as redes sociais”, garante Rafael Gasparini, estudante do Enem.

A psicóloga também garante que ter contato com pessoas é importante – “para que os estudantes tenham disciplina, rotina, planejamento”.

A recomendação dela é ter alimentação adequada e noites de sono satisfatórias, sem estudar na véspera das provas, o que pode levar à exaustão, esgotamento da emoção e do cérebro.

“Eu sou uma pessoa mais tranquila, mas já vi vários amigos ficarem mal por conta da ansiedade. Eu faço Enem e vestibulares desde o segundo ano. É importante treinar para não deixar a ansiedade tomar conta”, conta Rafael.

Como controlar a ansiedade sem tomar remédios?

Geralmente, a ansiedade acontece em momentos difíceis, decisivos e que precisam de concentração, tal qual o concurso público e o processo seletivo dos vestibulares, o Enem.

Portanto, confira essas dicas simples e vá preparado par ao seu exame.

Reconheça a Ansiedade

O primeiro passo para controlar a ansiedade é saber que ela existe.

Muitas vezes nem tomamos conta do distúrbio e já estamos em pânico.

Tudo começa com uma questão difícil, depois, as mãos soam. E, por fim, as pernas trepidam, você começa a roer a unha, dá calafrios… Esse é um quadro típico de ansiedade.

Além disso, tremores, tontura, boca seca, braços rígidos são sintomas clássicos.

A Noite de Sono

A primeira dica para combater a ansiedade é ter um corpo descansado. E a melhor forma de fazer isso é dormindo. Quando estamos ansiosos, porém, dormir se tornar um martírio.

Assim sendo, os especialistas da saúde recomendam que os estudantes vão para a cama no mínimo 1 hora antes do horário que você deveria dormir. Ir para a cama cria a sensação de que você vai dormir em breve.

Essa hora a mais, além de tudo, pode te ajudar a pensar no que te aflige e te auxilia a encontrar formas de colocar tudo em prática no dia seguinte.

Se você sofre de insônia, existem algumas dicas para conseguir dormir mais facilmente:

  • Ler um livro ou blog que você gosta,
  • Tomar um banho quente,
  • Trocar os lençóis da cama,
  • Ouvir uma música ambiente,
  • Se imaginar alcançando o objetivo,
  • Respirar vagarosamente.

Pesquisas comprovam que se você conseguir se concentrar no som da música ambiente, os seus pensamentos (do sistema nervoso) devem diminuir e, aos poucos, você ficará mais relaxado para dormir.

Mesmo que, com a rotina de estudos, você esteja acostumado a dormir poucas horas por noite, o ideal é dormir um pouco mais nas vésperas das provas, garantindo que energia suficiente para o próximo dia.

Consuma Alimentos Saudáveis

Pode parecer simples, porém, é um exemplo importante para que todos entendam como os alimentos podem influenciar na ansiedade – a falta ou o excesso causam malefícios.

Mas a água é só um exemplo. Imagine agora as frituras, comidas gordurosas, bebidas alcoólicas, café… Tudo isso se for consumido em demasia faz mal à saúde e prejudica totalmente o nível de ansiedade dos estudantes.

O conselho é ter uma alimentação saudável, com ingredientes integrais, por exemplo. Isso ajuda a controlar a ansiedade.

Existem alguns chás que podem ajudar na questão de diminuir a ansiedade, claro que eles não devem ser consumidos com muito fervor, porém, em pequenas doses pode ser útil.

Alguns deles são: camomila, ginseng, cidreira, erva-doce, valeriana, arruda, erva de são João, passiflora, melissa, folha de maracujá, entre outras.

Faça um Planejamento do Trajeto

Enfrentar situações na qual já está acostumado é uma boa pedida para evitar a ansiedade. Portanto, evite imprevistos, visite o local de prova antes do dia, anote o endereço.

Análise também o transporte – ônibus, táxi, metrô. Com isso, no dia da prova, você já saberá que horas deverá sair de casa e onde estarão os pontos de ônibus, por exemplo.

Como bônus desse artigo, no final, teremos um tópico para citar 3 receitas que servem como calmantes naturais – sem adição de produtos químicos, como os remédios.

Música Relaxante

Se o candidato tem algum gênero musical de preferência (melhor ainda se for músicas calmas e relaxantes), ele pode ouvi-las no período que antecede a prova, isso também diminui a ansiedade do candidato.

Em qualquer momento de nervoso, mesmo durante a prova, vale muito a pena pensar na música – ela funciona como um controle do nervoso.

Esqueça os Concorrentes

Nos dias que antecedem a prova e no próprio dia, não é cômodo ficar pensando nos concorrentes – quantos estão mais bem preparados que você? Isso só vai ser pior para a sua concentração.

Se isso acontecer, tente desviar o assunto pensando no quanto tempo você dedicou aos estudos, nas noites mal dormidas, nos exercícios feitos e em toda dedicação que fez até chegar ao dia da prova.

“O maior equívoco que leva à ansiedade em uma prova é colocar a avaliação como parâmetro para seu bem-estar. O bem-estar tem que vir de sentir que fez o seu melhor”, diz o psicólogo clínico e doutor em neurociências Julio Peres.

Considere quem Não Vai Fazer a Prova

Sabemos que nos dias que antecedem os testes, os candidatos ficam muito informados e com relação muito próxima a outros candidatos. Isso até é saudável, mas para 1 dia antes da prova, a recomendação é considerar pessoas que estão fora dessa realidade.

É possível participar de algum jogo com os irmãos, primos, pais, avós. Também vale a pena pensar em atividades físicas (que não sejam violentas) e podem te ajudar a aliviar a tensão.

Observe apenas que se esses amigos te pressionam na busca pelos melhores resultados, melhor evita-los. E, em alguns casos, a solidão pode ser uma boa alternativa para esse dia.

Encontre um Amigo

É uma dica um pouco “batida” demais, no entanto, muito importante. E recomendadíssima por médicos especialistas, como os psicólogos.

No dia da prova, se você tem aquela pessoa que considera muito, que te agrada, que te ajuda, que te traz confiança, chame-a para ir contigo no local da prova.

Conforme pesquisas, as pessoas se sentem muito mais confortáveis quando falam com os amigos antes de momentos difíceis e decisivos, como os testes dos concursos públicos ou do Enem.

Aqui vale um adendo muito importante – só faça isso se o seu amigo não for tão ou mais ansioso do que você. Se ele for ansioso, melhor vê-lo apenas após o teste.

Além disso, outro ponto importante é quando encontrar esse amigo, você ter a ideia clara de que é preciso conversar sobre assuntos bons e leves, como seriados, filmes, músicas, histórias cômicas… entre outros temas.

Evite falar sobre a própria ansiedade ou sobre os simulados e as provas.

A Técnica da Respiração

A técnica diz que respirar devagar ajuda a diminuir a ansiedade, portanto, inspire-se lentamente e expire o dobro do tempo.

Geralmente, o que acontece é que a respiração acontece de forma involuntária, mas pode ser controlada por cada indivíduo, tendo a grande capacidade de acalmar o corpo e a mente.

Os praticantes de ioga, acupuntura e meditação garante que esse comportamento traz resultados positivos e tranquilizantes de maneira imediata.

Antes da prova, use cerca de 20 minutos ou mais e controle a respiração. Inspire lentamente e expire no dobro do tempo. Se você consegue inspirar por 5 segundos, solte a respiração em 10 segundos.

Se durante a prova acontecer algo que tire o aluno do sério, em um momento de nervosismo, dedique minutos para a prática até que a sua mente fique mais tranquila – com os pensamentos calmos, o rendimento será muito maior.

Sair da Sala de Prova é Permitido

Se esse é um benefício dado ao candidato, então, faça uso sempre que for necessário.

Lembre-se que você pode sair da sala quantas vezes quiser, sem que haja limites para isso. Se durante as questões você ficar nervoso demais ou ansioso, vá ao banheiro, lave o rosto e feche os olhos. Faça a técnica da respiração.

E, nesses momentos, sempre se atentem ao fato de que se trata de uma prova difícil. Em 2015, o índice de abstenção do Enem foi de 25% e, portanto, você é um guerreiro por estar lá dentro da sala de aula. Considere essa oportunidade e tenha coragem.

Você não vai conseguir responder todas as questões

Apenas se você for o novo Albert Einstein. Porque, do restante, todos os candidatos vão errar algumas questões ou não saber responder outras. Isso vale para o Vestibular e para os Concursos Públicos.

Em toda prova há questões mais difíceis do que outras, portanto, se o candidato não sabe responder alguma, não tem que ficar intranquilo com isso – até então, torna-se normal. A se considerar, tem áreas que você domina mais do que outras, não é?

O conselho para quem se depara com questões difíceis é marca-la com algum sinal e prosseguir para a próxima até encontrar uma pergunta que seja mais fácil – experimente começar pelo tema que você mais gosta.

Persistência é Fundamental

Se estivermos muito pressionados a passar na prova a qualquer custo, então, teremos que trabalhar muito bem com a ansiedade e o nervosismo. É importante saber que não ir bem a alguma prova não é o fim do mundo e você terá outras oportunidades no futuro.

“Muitos entendem concursos como o Enem ou o Vestibular como algo categórico, sucesso ou fracasso. Não ponderam que não são sistemas avaliativos por si só, mas que envolvem fatores diversos, dentre eles o número de concorrentes”, diz a psicóloga cognitivo-comportamental Márcia Copetti.

Bônus – receitas com calmantes naturais

Separamos 3 receitas simples que podem te ajudar a manter o controle da ansiedade. Confira.

1 – camomila com maracujá

É uma mistura indicada para combater a insônia e fácil de ser preparada.

Adicione uma xícara de chá de camomila e meia xícara de chá de polpa de maracujá. Acrescente um copo de água gelada, gelo, mel. Bata bem, coe e sirva em seguida.

Faça isso de noite, para relaxar e dormir melhor.

2 – cidreira com maracujá

É bom para quem está muito nervoso ou sofre com a ansiedade.

O jeito de fazer é separar uma xícara de chá de erva cidreira, usando dois saquinhos, para que fique forte. Bata com a polpa de maracujá no liquidificador. Coloque gelo, adicione adoçantes e sirva gelado.

3 – suco de cidreira com limão

Coloque dois copos de água filtrada para aquecer e desligue o fogo antes de levantar fervura. Faça o chá com o saquinho na água quente e tampe por 5 minutos. Esprema um limão no liquidificador, mais gelo e o chá. Bata e adoce em seguida.

É um suco saboroso e com propriedades calmantes.

Com informações do revistaencontro, portalaz, g1

Tomar remédio para fazer a prova – vale a pena?
Vote nesse post

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.