Os 7 Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças

0
6301

Treinar e usar técnicas de memorização não é só coisa de gente grande. Para os especialistas, memorizar conteúdos pode levar às crianças à percepção de como as palavras e as frases podem ser organizadas e combinadas, o que acaba por aumentar o vocabulário, que, por sua vez, são requisitos importantes na disciplina de oratória e de escrita no futuro.

Além disso, o estudo da memorização para crianças pode ser muito divertido. Então, se você se preocupa com o futuro do seu filho e quer que ele busque conhecimento desde pequeno, leia este artigo até o final. Você vai conseguir observar que, com o investimento na educação e na memorização, o futuro do seu pequeno será muito mais promissor.

Como Funciona a Memória das Crianças

Para formar memórias, todo ser humano precisa criar conexões entre as células do cérebro. Logo, é possível codificar uma informação em um evento de memória. Depois, o cérebro organiza as informações recebidas e inicia o processo de consolidação.

Se a memória armazenada tem que ser duradoura, então é necessário acessar às memórias e criar novas sinapses (ligações) reforçando as conexões.

Ou seja, no fim das contas, relembrar é ativar o cérebro constantemente para que a memória seja sempre renovada.

As crianças, por sua vez, possuem memória seletiva, ou seja, elas são capazes de armazenar estímulos importantes, sendo que outros são descartados com o tempo. Nessa fase, como a gama de conhecimento e informações ainda é menor, as crianças tendem a memorizar aquilo que mais está ligado à seu humor, principalmente aos momentos de felicidade.

Por isso, mesmo que você considere que o aniversário de 1 ano do seu filho é em vão porque ele não vai se lembrar no futuro, saiba que o momento de amor e alegria ficará com ele, guardado para sempre.

Para provar isso, não é preciso muito. Já notou que muitos bebês param de chorar quando a mãe retira-o do berço e o segura no colo? Isso, nada mais é do que uma memória que ele considera ótima. Afinal, qual bebê não gosta do colo dos pais?

Reprodução: Google

Para se ter uma ideai em termos de idades, consultamos alguns estudiosos. A classificação é mais ou menos a seguinte:

Bebês de 1 à 3 anos – Tem Capacidade Intelectual que vai aumentando e melhorando aos poucos.

A partir dos 4 anos – As áreas responsáveis pela memória amadurece e começa a criar as lembranças. Nesta idade é muito importante estimular as crianças com brinquedos educativos e jogos de tabuleiro.

Posterior à isso, as crianças como a ter os sentidos apurados, então o olfato, por exemplo, pode começar a se recordar de alguns cheiros. Uma boa memória pode ser fruto de uma boa herança genética também, o que vai mudar são os estímulos e os níveis de estresse da criança.

O aprendizado e a memória

São muitos os benefícios de aprender, para a criança, mais ainda. Uma poesia ou uma canção infantil podem, por exemplo, aguçar a memória. Logo, o inverso também é válido: quem exercita a memória também compreende melhor as coisas, fatos, acontecimentos. Não ficam dúvidas de que a memória está presente em todo aprendizado.

Uma dessas memórias que atuam diretamente no aprendizado é a memória visual, que ajuda na hora de estudar e ler um texto, por exemplo. Uma das dicas, então é apostar em filmes, contos e mesmo poesias infantis, onde é possível criar uma imagem de significado.

Outro truque é sempre substituir palavras desconhecidas por aquelas que tenham sentido. Se você quer saber outros truques, continue lendo.

O Que É A Memória, Na Visão Da Psicologia?

Alimentação para Crianças que tem tudo a ver com a Memória

Uma alimentação saudável tem que ter o consumo regular de ômega 3, encontrada em peixes. Para as crianças em específico, isso contribui para itens como: capacidade visual, desenvolvimento cognitivo, proteção aos ossos, diminuição da gordura no sangue.

Conforme um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition, os alimentos ricos em ácidos graxos DHA ajudam no desenvolvimento normal das funções cerebrais dos fetos, bebês e das crianças pequenas.

Outro ponto crucial é que, antes de tudo, a criança tem que sentir prazer na atividade, por isso, a brincadeira pode ser um grande apoio. Pense em Cantigas de Roda e outros exercícios que tornarão a memória eficiente.

Na parte superior do texto, vamos ter um tópico muito interessante falando sobre os 5 Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças. Confira!

O que diz o livro The Well-Trained Mind: A quide to classical education at home

“Crianças do Ensino Fundamental têm uma imensa capacidade para memorizar sem perceber o que fazem”. É isso que diz o livro, no capítulo Memorization Without Pain (Memorização Sem Dor). E nos capítulos adiante, inclusive, há um passo a passo de como as crianças podem memorizar textos.

Para Crianças da 1 à 4ª série: divida o texto selecionado para ser memorizado em trechos. Depois, cada criança lê uma parte em voz alta. Depois, a leitura se repete por mais 3 vezes. Se isso é feito todos os dias, a maioria das crianças aprendem seus trechos de 8 a 10 linhas em uma única semana.

No final da semana, peça para que as crianças narrem a história, sem que leiam. Você e elas vão se surpreender com a capacidade que elas têm de lembrar quase toda a história, sem precisar ler novamente.

Os Cuidados com Quedas e Pancadas Físicas

Quando uma criança cai e machuca a cabeça, todos ficam preocupados. No entanto, assim que para de sangrar e forma-se a cicatriz, todo mundo acha que tudo ficou bem. Na verdade, não é bem assim.

Um estudo feito na Universidade de Illinois, nos Estados Unidos e em Montreal, no Canadá, mostrou que crianças que tiveram quedas ou pancadas (chamadas de concussões) apresentam resultados piores do que as outras crianças quanto à testes de memória, atenção e controle de impulsos.

“Isso porque o cérebro está em plena formação”, diz o neuropediatra Erasmo Casella, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Por sinal, o médico também alerta sobre essas concussões que podem ser causadas de outras formas, além de pancada. “Até mesmo uma freada brusca no carro”, ou seja, sem que haja contato físico.

“E essas alterações às vezes são difíceis de diagnosticar”, conta a neuropediatra Adriana Mandia Martirani, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

“Na hora do choque, a criança pode não reclamar de nada. Mas é possível que os sintomas apareçam após um tempo”, alerta o neuropediatra Gustavo Rodrigues Valle, do departamento de Neurologia da Sociedade Brasileira da Pediatria.

Assim, os pais tem que ficar de olho em quaisquer tipos de acidentes, mesmo que não aparenta ter nada de grave. O ideal, após qualquer concussão, é que a criança evite esforços físicos e faça repouso, inclusive, faltando da escola. Por outro lado, dormir demais logo após o choque também não é aconselhável.

Leia Também: Saiba Tudo Sobre a Doença de Alzheimer

A Doença de Alzheimer é uma enfermidade que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”. Isso é o que diz a ABRAZ (Associação Brasileira de Alzheimer).

Ainda conforme a associação, a doença se apresenta como demência ou perda de funções cognitivas, como a memória, que é causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o avanço, garantindo uma melhor qualidade de vida ao paciente e à família.

Saiba Tudo Sobre a Doença de Alzheimer e Veja Como Ela Atua Na Memória

Prevenção

Há medidas que podem diminuir os riscos de traumas e concussões na cabeça, como o uso de capacetes adequados em cada modalidade esportiva.

Dentro do automóvel, instalar cadeiras de segurança compatíveis com a idade é o mais recomendável, o que ameniza, inclusive, chacoalhões. Pisos antiderrapantes e grades de proteção em escadas também tornam a casa mais segura e menos propensa à acidentes.

Por que é Importante Ler para Crianças?

Porque desenvolve a linguagem, a fala, a leitura, a imaginação.

“Ao ler em voz alta para o seu filho, você ensina a ele o som das palavras e desenvolve o seu vocabulário enquanto aumenta o seu entendimento do mundo e desenvolve a sua imaginação. Sugerimos que você leia para o seu filho por pelo menos 2 horas por dia. Leia a partir de uma boa variedade de literatura de qualidade: biografias e ficção. Inclua ciências, geografia, história”.

O trecho acima foi tirado do artigo “Ten Things to Do with Your Child Before Age Ten”, escrito por Harvey e Laurie Bluedorn.

Fora todo esse contexto, alguns paradigmas, segundo os autores, precisam ser quebrados. Entre eles, o fato de o próprio pai não ter medo de ler livros com capítulos longos. Afinal, uma criança de 5 anos é capaz de prestar a atenção e entender muito de livros coma A Ilha do Tesouro e Viagem ao Centro da Terra, por exemplo.

Isso sem contar que livros rápidos, como Babysitter Club (Clube da Babá) ou Nancy Drew, não costumam ser indicados. Por sinal, durante a leitura não obrigue que seus filhos fiquem quietos. Isso pode parecer ideal, mas não é indicado.

A maior parte das crianças ouve muito melhor se estiver fazendo gestos com as mãos ou em contato com seus brinquedos, por exemplo, confirma os autores do artigo.

HomeScholers

É um hábito muito comum nos Estados Unidos. Tipicamente, as crianças têm familiaridade com temas escolares, sendo que fazem exercícios em casa, como a Lição de Casa aqui do Brasil. Porém, lá, a casa toda é decorada com linhas do tempo, mapas, fotografias de personagens históricos, poesias, livros, entre outros.

Para os especialistas, isto traz alguns benefícios diretos para a educação da criança.

Entre eles, o fato de as crianças se tornaram mais confiantes com a sua própria capacidade de aprender e, além disso, participam de forma ativa. Os pais conseguem notar quais as formas mais fáceis para cada filho aprender. Enquanto um gosta de mapas visuais, outros podem preferir as canções.

O ritmo da tarefa pode ser controlado conforme o desempenho da criança. Entre outros benefícios.

Os 7 Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças

O 1º ponto importante é: deixar as crianças em um ambiente adequado, que favoreça a concentração, onde elas serão capazes de direcionar todos os sentidos para esse momento de aprendizagem.

Portanto, exercitar a memória tem que ser divertido, especialmente se a criança tiver entre 3 e 6 anos. Todos os exercícios que vamos propor aqui são recomendáveis para elas e é possível que se aumente a complexidade do desafio conforme a criança demonstrar mais facilidade para resolvê-lo.

1 – Jogo da Memória

São tradicionais e compostos por cartões de associações. Primeiro, eles são expostos para as crianças e depois virados para baixo, de modo que as imagens fiquem ocultas. A tarefa é usar um breve na qual a imagem ficou exposta para memorizar a posição de cada imagem.

Aí, depois de virados para baixo, o desafio é lembrar onde estão os pares certos, mesmo sem vê-los.

O jogo é simples e prático e, por isso, um dos mais aconselháveis. Além de se fácil de ser encontrado, você também pode se dispor a fabricar o próprio produto com as crianças, o que eleva o grau de interesse na brincadeira. Os materiais podem ser mínimos, como revistas, papéis, caneta, tesoura, entre outros.

2 – O Que Tinha Aqui?

Esse não é tão comum, mas também é simples. Coloque vários objetos em cima da mesa, como utensílios de cozinha, material escolar, brinquedos. Peça para a criança observar por um tempo àqueles objetos, com muita atenção. Depois, retire os objetos e deixe-os fora do campo de visão da criança. O desafio é que ela recorde tudo o que estava na mesa, trazendo-o de volta em cada acerto.

3 – Lembrar o Dia

É uma brincadeira que pode ser feita à noite, antes de dormir. Convide seu filho para se lembrar do passo a passo de tudo que aconteceu durante o dia. É um bom exercício de memória e também funciona para que ele viva as boas emoções do dia, notando o bom desempenho na prova ou à vista à cada de um amigo querido.

4 – O que Mudou?

É parecido com o jogo “O que tinha aqui”, no entanto, nessa brincadeira não tiramos todos os objetos da mesa. Depois que a criança tiver tempo suficiente para memorizar aquilo que foi exposto, ela pode se virar de costas ou fechar os olhos. Enquanto isso, algo tem que ser modificado de lugar, na disposição. Pode ser uma troca de lugar ou a ausência de um deles, por exemplo.

5 – Canções Infantis

As crianças, normalmente, adoram músicas infantis e isso pode ser usado em favor da memória deles. Um dos vários exercícios possíveis é escolher algumas músicas que eles sempre ouvem e deixa-las tocar até certo ponto, pare a música e peça para que eles continuem, completando a letra.

O jogo é simples, mas além de estimular a memória também busca a agilidade de pensamento e a atenção.

6 – O Jogo das Histórias

Se você tem o hábito de ler para o seu filho ou contar-lhe histórias, então pode treinar a memória dele fazendo o seguinte: comece contando aquela história que ele já sabe, só que em determinado momento você muda o contexto. Assim, ele vai saber que houve um erro e poderá buscar na memória qual era a história verdadeira, corrigindo o seu conto atual.

7 – Números de Telefones

Esse jogo é para as crianças maiores. Mas, dependendo da idade e do interesse, pode ser feito com menores também. O ideal é você escrever o nome da pessoa e o telefone na linha de baixo. Faça isso com vários números de telefones e nomes de pessoas.

Depois, peça para as crianças memorizar tais nomes e números. Ao fim, separe os nomes dos números, misture e peça para que encontre o número certo com o nome adequado, ligado a pessoa ao número do telefone.

Crianças podem lembrar amanhã aquilo que esqueceram hoje… Como assim?

Uma pesquisa da Universidade do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, publicada no jornal Psychological Science, sugere que as crianças entre 4 e 5 anos não podem reter a informação na hora que aprendem, mas sim lembrar-se dela um dia mais tarde. O que elas precisariam, de fato, é de tempo para processar e memorizar aquela novidade.

Os especialistas nomearam esse fenômeno de Recordação Atrasada.

Reprodução: Google

O estudo foi feito com crianças, que ao brincarem com um videogame também faziam associações entre objetos, na qual os participantes voltaram a jogar dois dias depois e tiveram uma pontuação 20% maior do que aqueles que jogaram pela segunda vez no mesmo dia.

Para os autores, o resultado abre uma janela para a compreensão de como a memória infantil arquiva novas informações.

“Desconheço outros estudos com crianças que tenham resultado semelhante, mas o que sabemos á respeito da memória é que ela funciona muito precocemente, desde a vida intrauterina”, diz o neuropediatra Saul Cypel, presidente do departamento de Neurologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Repetição

Conforme Cypel, nos primeiros anos de vida, as memórias são mais elementares, assim fica associadas às vivências que a criança experimenta. “Elas podem registrar uma dimensão diferente da realidade, distorcida: como aquela mureta de um metro e meio da casa da avó que é lembrada como uma muralha enorme”, diz.

Aí, tem que haver um reajuste, que nada mais é do que uma espécie de atualização. Próximo aos 8 anos, tem também a limpeza, onde algumas memórias mais antigas desaparecem, o que é perfeitamente normal.

Então, conclui-se que a repetição tem um papel fundamental para a memoria e o aprendizado infantil. Qual pai e qual mãe nunca teve que contar a mesma história ou ver um mesmo filme dezenas de vezes? Brincadeiras, leituras e a própria rotina da casa ajuda a criança a desenvolver sua função cognitiva.

4 Truques de Memória para Crianças

Durante a vida escolar, as crianças tem uma memória que funciona em um “piloto automático”, onde as operações são feitas sem muita vontade. A partir dos 6 anos, elas começam a praticar de forma voluntária, codificando a memória. Depois disso, o currículo escolar já exige um conhecimento dos alunos, o que exige ainda mais da memorização.

Sobre isso, separamos 4 truques de memória para as crianças. Confira.

1 – Antes de Memorizar, é preciso Prestar a Atenção

Quando for realizar uma atividade, evite qualquer coisa que possa se tornar uma distração. Inclusive, celulares e aparelhos eletrônicos. Um estudo feito em 2011 mostrou que aquelas crianças que tentam ouvir música enquanto estudam, levam mais tempo para aprender e codificar a informação.

2 – Para Otimizar a Memória, Divida em Sessões de Estudo

Sessão de estudos nada mais é do que categorias. Defina também os períodos de estudo, de tempo e de espaço. A melhor forma de ajudar nossos filhos a memorizar conteúdos é fazê-lo estudar em cada unidade em cada momento, para só depois relembrar o que foi estudado.

3 – Para Maximizar a memória, Tem que Dormir Bem

Dormir é peça chave nessa discussão e dormir bem é sumamente importante para consolidar as memorias. É o momento em que o cérebro pode melhorar o armazenamento do que foi estudado consolidando com aquilo que já é conhecido. Enquanto dormimos, nossa memória é estabilizada.

4 – Memória é importante na participação da Aprendizagem

O conhecimento não tem que ser entregue apenas aos professores ou aos livros, mas sim ao aluno. Portanto, incentivar os filhos a pensar mais sobre o que estudar, assim como realizar mais leitura ou perguntar sobre o que eles não entendem são formas de melhorar a codificação da memória.

Com informações do Educacaodecriancas, semprefamilia, hacerfamilia e memorização.info

Os 7 Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.