Mapas Mentais para o Enem 2017 – Descubra essa Forma de Memorizar Conteúdo

0
61

Os mapas mentais são uma forma visual de organização de ideias, que são resumidas em associações entre palavras dispostas em um papel – no geral, são técnicas de anotação que tem por finalidade organizar, diz o especialista Renato Alves.

“Nela, se recomenda transformar as informações em imagens para uma memorização mais fácil. A visualização é a chave para a memorização”, garante Alves, que é um recordista brasileiro de melhor memória no Rank Brasil.

A ideia dos Mapas Mentais foi criada pelo escritor inglês Tony Buzan e abusa da criatividade, das cores e das mensagens motivacionais.

“Nas aulas, faço um rascunho com tudo que o professor fala, escrevendo o máximo. Quando chego em casa, resumo novamente o que escrevi fazendo mapas. Neles, coloco tópicos para me guiar e a partir disso vou recuperando o que eu sei sobre o assunto”, diz a estudante Gabriela Rosa.

Gabriela criou uma conta no Instagram chamada Med Studies, onde compartilha matérias de estudo como os mapas mentais, além dos simulados, exercícios e apostilas.

Na opinião dela, especialmente sobre os mapas mentais, eles têm popularidade entre os vestibulandos por causa do apelo visual tanto da própria rede social quanto da técnica – alguns gráficos parecem verdadeiras obras de design e podem ajudar e muito quem vai prestar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Mapas Mentais – Como Fazer

“As anotações são feitas do jeito que o cérebro gosta de se lembrar das coisas. Os mapas são capazes de resumir 10 páginas em uma e permitem um estudo mais ativo e dinâmico”.

Nenhum estudante precisa se intimidar se achar que não tem muita criatividade.

“Não é preciso ter habilidades artísticas. É simplesmente anotar o tema central na página e deste centro puxar ramos que identifiquem as categorias e o conteúdo, usando palavras-chaves e complementando com cores e símbolos”, diz outro especialista, Victor Ribeiro.

A disposição visual das informações é o grande segredo – “Como eu gosto de tudo bonitinho, observo o jeito que eles organizam para fazer os meus e não uso os dos perfis para estudar”, afirma outra estudante, Victória Cordeiro.

Buzan, para produzir seus desenhos, seguia a seguinte orientação:

Iniciar no centro com uma imagem do assunto, usando pelo menos três cores.

Use imagens, símbolos, códigos e dimensões em todo o seu mapa mental.

Selecione as palavras-chave e as escreva usando letras minúsculas ou maiúsculas.

Coloque cada palavra/imagem sozinha e em sua própria linha.

As linhas devem estar conectadas a partir da imagem central. As linhas centrais são mais grossas, orgânicas e afinam-se à medida que irradiam para fora do centro.

Faça as linhas do mesmo comprimento que a palavra/imagem que suportam.

Use várias cores em todo o mapa mental, para a estimulação visual e também para codificar ou agrupar.

Desenvolva seu próprio estilo pessoal de mapeamento da mente.

Use ênfases e mostre associações no seu mapa mental.

Mantenha o mapa mental claro, usando hierarquia radial, ordem numérica ou contornos para agrupar ramos.

Os mapas mentais também são parecidos com os mapas conceituais, porém, esses últimos são estruturados com base em relações de conceitos, em uma análise passível lógica.

Se você vai prestar o Enem e ainda não sabe como fazer uma Redação Nota 1000, fique tranquilo, separamos os melhores mapas mentais da internet.

10 Mapas Mentais para Ter uma Redação Nota 1000 no Enem 2017

Estudo de Textos

Renato Alves diz que esse método é mais indicado para estudos de textos, principalmente aqueles longos e técnicos, onde as informações são todas lineares.

“O mapa ajuda o estudante a tirar o texto do livro e colocar a informação na folha de uma forma que ele possa visualizar melhor”, diz Renato.

“O meu mapa mental é útil para mim, é a forma como eu interpreto um determinado texto. Dificilmente vai servir para o outro, é uma interpretação pessoal. Não resolve compartilhar na internet, a menos que você explique”, afirma.

Porém, a inspiração vale a pena.

“O compartilhamento só é válido como inspiração”.

E como estamos falando em inspiração, separamos alguns mapas mentais para você… Confira!

Os Tipos de Alunos

Os pesquisadores mostraram que todos estudantes podem aprender um mesmo assunto de forma diferente, levando em conta que alguns tem facilidades e modos diferentes para tal. Identificar o seu tipo de estudo ideal pode te levar mais rapidamente ao sucesso, maximizando sua experiência educacional.

Depois, é preciso levar em conta também que a leitura e a escrita pode ser pontos de partida para o aprendizado, já que nele o aluno vai conseguir memorizar as duas tarefas de uma só vez. Para isso, você terá que assumir uma postura adequada conforme o seu tipo – que vamos listar abaixo.

Antes de aprender sobre os tipos de alunos, saiba que o site worldwidelearn.com mostrou, com pesquisa, que 27,6% das pessoas se consideram cinestésicas, enquanto que 26,8 preferem a prova tradicional – escrita/oral. Depois, 25,1% são auditivas e uma pequena porcentagem 20,6% são visuais.

Confira os tipos mais comuns de alunos:

ALUNOS VISUAIS

São aqueles que se saem melhor em interpretação de gráficos ou mapas, artigos ou qualquer questão que tenha a ver com processos. Para ele, as perguntas orais são as piores.

Essas pessoas tendem a aprender mais facilmente quando desenham ou grifam informações, copiam o que está na lousa, transformam frases em esquemas, tomam notas em forma de listas, usam cores e círculos e mapas mentais.

Se você ainda não sabe se é um aluno visual, leve em conta que essas pessoas tem como características a fala rápida, a facilidade em olhar e analisar gráficos e diagramas, preferem estudar em silêncio, pensar em formas de figuras, tomam notas em detalhe e na aula gostam de sentar na frente.

ALUNOS AUDITIVOS

São os alunos que sempre respondem questões sobre a aula expositiva ou palestras, além das orais. Para eles, a prova tradicional – baseada em leitura e escrita – são as piores, ainda mais se somar a isso o fato de terem limite de tempo.

Os alunos auditivos costumam usar como método de estudo a repetição de conteúdo oral e feita com olhos fechados, além de ter a ideia de gravarem palestras e vídeos, participar de discussões em grupos, gravas suas próprias anotações e criar associações com palavras para ajudar na fixação do conteúdo.

Para você saber se está nesse grupo, observe características como falar devagar e bem explicado, ser auditivo por natureza, repetir coisas em voz alta, pensar linearmente, ler vagarosamente ou preferir ouvir ao invés de ler as informações.

ALUNOS CINESTÉSICOS

Esses alunos gostam de definições curtas e questões de múltiplas escolhas, por outro lado, não gostam de provas escritas com longos testes ou aquelas mais tradicionais.

Eles têm facilidade em estudar em pequenos blocos de tempo, priorizando as aulas práticas. Fazem viagens durante o tempo de estudo e estudam em grupo. Por fim, também gostam de usar jogos de memória ou outras formas lúdicas para memorizar os fatos.

As principais características deles são: falar devagar, aprendem pela prática e resolvem o problema da vida real, preferem a prática, não ficam muito tempo parado e quando ficam se sentem nervosos, quando vão estudar fazem intervalos longos e sofrem com períodos que precisam de atenção total.

TÁTICAS PARA ESTUDAR

A partir desses conceitos e do seu perfil será possível encontrar as melhores táticas para estudar. Alguns preferem fazer isso de noite e outros de dia, alguns usam mais números e outros gostam de letras, uns preferem músicas e outros livros, assim por diante.

O que todos deveria notar é que a revisão, fazer provas anteriores e conteúdos visuais são ótimas ferramentas para se chegar ao sucesso estudantil.

Além disso, é preciso levar em consideração que para fixar um conteúdo, você poderá trabalhar concomitantemente com várias ferramentas.

Conforme um estudo da lendo.org, confira qual é a taxa de aprendizagem conforme o tipo de atividade:

  • Aula Expositiva – 5%
  • Leitura – 10%
  • Audiovisual – 20%
  • Demonstração – 30%
  • Discussão em Grupo – 50%
  • Aprender Fazendo – 75%
  • Ensinando outra Pessoa – 90%.
Reprodução: Google

Como não enrolar na hora de estudar – 9 Passos

Provas para estudar, relatórios para terminar, dever de casa, imposto de renda para enviar… Tudo isso parece ser bagagem demais para carregarmos. Afinal, ninguém é de ferro, não é?

Aí, 10 minutinhos que você perde no Instagram ou no Facebook e parece que você perdeu todo tempo do mundo.

“A procrastinação é capaz de arruinar vidas. Pode, por exemplo, causar um derrame cerebral: uma pessoa pode ter sintomas como dor de cabeça e vômitos e resolver não ir ao médico naquele momento. Quando muda de ideia, é tarde demais”, diz Joseph Ferrari, que é professor de Psicologia da Universidade DePaul, nos Estados Unidos.

Não só por isso, mas também por muitos outros motivos: as pessoas sempre dão um jeito de procrastinar. Só que isso afeta o rendimento acadêmico.

Um grupo de pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia (USC), nos Estados Unidos, diz ter chegado a uma forma eficaz de se livrar da procrastinação, que pode ser expressa pela fórmula: “pensa no futuro como agora”.

Assim, o que esses cientistas descobriram é que ao calcular o tempo que resta para realizar uma tarefa, o melhor é usar escalas menores de tempo.

“Quando pensamos de maneira mais granular, usando dias em vez de anos, sentimos que o futuro está mais perto”, diz Daphna Oyserman, líder da pesquisa e codiretora do Centro Dornsife de Mente e Sociedade, da USC.

Renato Alves é escritor, pesquisador e o 1º brasileiro a receber o título oficial de melhor memória do Brasil, pelo Guiness Book, o livro dos recordes. Veja o que ele disse…

Chegou o momento de quebrar o ciclo da procrastinação. Esteja preparado para se livrar desse comportamento destrutivo com as 9 dicas que listamos a seguir:

1 – DIMINUA O PRAZO DE REALIZAÇÃO DE CADA TAREFA

A grande quantidade de tarefas faz com que você queira estabelecer prazos mais longos. Prazos longos tendem a enganar nosso cérebro, que entenderá que há muito tempo disponível para despertar o desejo de se iniciar uma tarefa.

Em vez de estudar uma mesma disciplina por horas a fio, faça uma redistribuição das matérias de forma que seja possível estudá-las em períodos mais curtos, intercalando-as.

2 – ESTABELEÇA PRAZOS MAIS RIGOROSOS

Não basta definir quais são as disciplinas que você tem que estudar. Estabeleça prazos mais rigorosos para cada uma delas, determinando a quantidade de tempo que será dedicado aos estudos. Fixe um horário para começar e terminar o estudo de cada disciplina.

3 – MONTE UM CALENDÁRIO COM TODOS OS SEUS PRAZOS

É dessa forma que você verá, de maneira mais lúcida, como todas as suas tarefas estão interligadas em prol dos seus objetivos. Mantenha os prazos organizados em uma agenda ou calendário, deixando esta organização em um local visível – isso vai te mostrar que o atraso de uma tarefa impacta automaticamente em tudo o que está por vir.

4 – DESAFIE-SE MAIS

Se estudar para um concurso parece ser entediante e você não se sente desafiado, crie os seus próprios desafios. Estabeleça objetivos de curto prazo e batalhe para alcançá-los. É por meio do entusiasmo de se vencer um desafio que você se sentirá mais motivado para seguir adiante.

5 – MUDE DE AMBIENTE

O ambiente impacta muito na qualidade dos seus estudos. Quando ele tem muitas distrações, como aparelhos eletrônicos e pessoas que te chamam com frequência, você tende a procrastinar. Mude o seu ambiente de estudos e busque por alternativas que permitam a sua total concentração.

6 – CONQUISTE PARCEIROS

Parceiros são importantes para que estejamos sempre motivados a seguir em busca da conquista de nossos objetivos. Muitas vezes, esses parceiros compartilham conosco dos mesmos objetivos, permitindo que a troca de informações seja mais um fator a favor de vencer a batalha contra os estudos.

7 – COMPARTILHE SEUS OBJETIVOS

Amigos, familiares e demais pessoas que gostam verdadeiramente da gente precisam saber quais são os nossos objetivos com os estudos. Essas pessoas são fundamentais na hora de te dar apoio e não deixar que você desista.

8 – PRESENTEIE-SE COM RECOMPENSAS

Quando estabelecer suas metas e desafios, permita-se um agrado. Pensem em recompensas para que a rotina possa ter mais de um sentido.

9 – OLHE SEMPRE PARA FRENTE

Diante de obstáculos ou da falta de interesse por continuar estudando para passar em um concurso, pare um pouco e avalie todos os pontos positivos que a realização desse projeto terá em sua vida.

Vale a pena largar tudo e recomeçar?

Com essas dicas lidar com a procrastinação será muito mais fácil. Ao refletir sobre os pontos que expusemos, você verá que realmente vale a pena prestar mais atenção e tentar combater este hábito presente em muitos de nós.

Muita matéria e pouco tempo para estudar?

Esse é um desafio que somente os alunos que elaboram e seguem um bom Plano de Estudo conseguem resolver. Clique aqui e continue a leitura em nosso próximo post, onde você descobrirá o maior erro cometido pelos estudantes.

Sobre Renato Alves

Renato Alves foi o primeiro brasileiro a receber através de homologação oficial, o título de melhor memória do Brasil pelo ranking Brasil, o livro dos recordes nacionais.

A conquista inédita foi resultado da aplicação de um método próprio de memorização que o permitiu gravar uma sequência de 110 palavras aleatórias e número com 110 dígitos aleatórios em 4 minutos.

Foi o primeiro recorde brasileiro de memorização. A técnica que desenvolveu foi batizada de Método Renato Alves e tornou-se referencia em treinamentos de aprendizagem acelerada.

Antes de conhecer a memorização e desenvolver o próprio método, Renato Alves foi um aluno abaixo da média. Assistia aulas inteiras para logo depois se esquecer de tudo. Estudava para provas e, no momento decisivo, não se lembrava de nada.

O resultado dessa suposta falta de memória refletia no boletim, recheado de notas baixas, e no estado de ânimo para os estudos, cada vez mais reduzido.

Os esquecimentos também interferiam no trabalho gerando perda de tempo, material, dinheiro e produtividade.

Renato buscou ajuda, tratamentos e remédios para memória, mas a solução definitiva ele encontrou nos velhos textos com os métodos de memorização utilizados desde os tempos da Grécia antiga.

Aprofundou-se nos estudos da memória e em pouco tempo transformou sua memória deficitária em uma super memória.

Pesquisador dedicado

Renato Alves graduou-se em ciências da computação pela universidade de Marília, trabalhou com análise e desenvolvimento de sistemas computacionais e foi professor de algoritmos de programação.

Estudou ciências cognitivas e filosofia da mente pela Unesp, foi membro do GAEC (grupo acadêmico de estudos cognitivos) e tornou-se pesquisador cognitivo nas áreas de aprendizagem, concentração e memória onde trabalhou a tríade mente-cérebro-computador que foi o embrião para o desenvolvimento do Método Renato Alves e do seu primeiro libro Branco na Memória – saiba quais são as causas e o que fazer para evitar.

Depois vieram os livros

  • Segredo dos Gênios, Diálogo sem Duelo,
  • Os 10 Hábitos da Memorização,
  • Não Pergunte Se Ele Estudou e
  • Faça Seu Cérebro Trabalhar Para Você.

Até a presente data, somados, venderam mais de 200 mil exemplares.

O gosto pelos estudos, o perfeccionismo para criar um sistema de aprendizagem eficaz, a didática impecável e a missão de ajudar de maneira responsável o maior número de pessoas permitiram que o Método Renato Alves recebesse em 2012 o selo wec, que confere com o grau máximo de excelência em treinamentos.

A aplicabilidade do método e a relevância de seus trabalho no contexto acadêmico proporcionaram a participação em eventos de renome nacional como fórum educar educação, congressos científicos em universidades particulares e públicas, como unesp, usp e em workshops promovidos por entidades como fundação abrinq, Ministério da Defesa e dezenas de escolas pelo Brasil.

E para entender a crescente demanda corporativa e levar o Método Renato Alves para as empresas, indústrias e órgãos do governo.

Renato Alves fez MBA em gestão empresarial, criou novas ferramentas e inaugurou um novo segmento: métodos de memorização, foco e concentração para profissionais, onde atendeu empresas dos mais diversos segmentos como Receita Federal, Ministério da Defesa, Supremo Tribuna federal e empresas como Coca Cola, Index, Petrobrás,Transpetro, Padrão, Jaw e muitas outras.

Conferencista de Sucesso

Em março de 2013 o Método Renato Alves completou 16 anos de mercado e seu autor consolidou sua expertise no estudo da memória, foco e concentração.

Neste período contabilizou estatísticas admiráveis. Foram quase três mil voos, todos os estados brasileiros percorridos, todas as cidades acima de 200 mil habitantes visitadas em mais de 200 apresentações presenciais por ano e aproximadamente 300 mil participantes capacitados até o momento.

Renato Alves possui experiência consagrada amplamente pela Imprensa Nacional, sendo considerado o maior especialista do país no tema memorização.

Participou de inúmeros programas nas  maiores emissoras de televisão aberta do país, nos principais jornais, revistas e nos mais variados programas de rádio.

Em 2005 fundou a Humano Editora, localizada no interior paulista e especializada na produção, consultoria, preparação e edicação de livros impressos e e-books para novos autores e em 2012 fundou a Humano Educação, empresa de organização e promoção de eventos voltados ao público acadêmico e empresarial.

Com seu estilo introvertido e simples, mas com muita ética, responsabilidade e confiabilidade, Renato Alves revolucionou o conceito de memorização no Brasil e conquista ano a ano mais admiradores.

Atualmente dedica-se exclusivamente aos estudos, palestras e produção de livros. Seu sistema de aprendizagem acelerada e memorização tornou-se símbolo nacional para aqueles que procuram desenvolvimento com qualidade e acima de tudo resultados.

Com informações do Pinterest

Mapas Mentais para o Enem 2017 – Descubra essa Forma de Memorizar Conteúdo
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA