Terminaram as inscrições do Enem 2017. 10 informações importantes para saber agora!

1
48

Conforme informações do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) está com 6,1 milhões de inscrições confirmadas.

O número pode subir (+ 1,4 milhão) porque ainda existem inscrições em analises. Mesmo assim, esse deve ser o pior montante desde 2013.

Para se ter uma ideia geral, em 2016 foram mais de 8,6 milhões de inscritos.

Quanto ao número de inscritos que ainda não foram confirmados, o motivo é devido à isenção da taxa de inscrição – que é de 82 reais. .

E, vale lembrar, essa isenção é de direito daqueles estudantes que completaram o ensino médio em escola pública e que representam mais de 24% dos inscritos em 2017.

O que mudou neste ano é que os candidatos de baixa renda que não se enquadram nesse grupo (de ter estudado em escola pública), vão precisar apresentar o número de cadastro no CadÚnico, que é uma plataforma do Ministério de Desenvolvimento Social.

Até o último ano – 2016 – a inscrição era gratuita apenas com a auto declaração da baixa renda.

A mudança pode ser o principal motivo do aumento do número de pessoas que se inscreveram (7,6 milhões), mas não pagaram a taxa (648 mil), o que impossibilitou a oportunidade de realizar o exame, conforme opinião da diretora de gestão e planejamento do órgão, Eunice Santos.

Para o MEC (Ministério da Educação), em 2016, o Ministério teve prejuízo de 226 milhões de reais com as abstenções porque 29% dos inscritos não comparecem às provas.

Na visão da professora Marisa Barbieri, que é coordenadora da Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto, os resultados apresentados pelo MEC são lamentáveis e a discussão se sobrepõe aos objetivos do ENEM.

Já para o Ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), “quem tiver direito à isenção, terá o direito preservado e assegurado”.

Na opinião da presidente do INEP, Maria Inês Fini, os candidatos que tiveram o recurso indeferido não vão poder pagar a taxa de inscrição e estarão fora do exame. Já aqueles que ainda tentam a isenção, mas já pagaram o boleto, não vão ter o dinheiro devolvido mesmo que seja constatado o direito nos critérios sociais.

Após essa singela introdução, confira agora 10 informações importantes sobre o Enem 2017, que todo inscrito tem que saber!

1 – Prazo de Inscrição Prorrogado

O INEP já anunciou que a edição de 2017 não terá o prazo de inscrição prorrogado. Os candidatos que não fizeram as inscrições até o último dia 19, já não poderão mais participar do Enem em 2017.

O órgão também disse que o número de inscritos não é igual ao número de participantes confirmados, já que ainda há pessoas que pediram isenção e estão sendo analisadas.

Reprodução: Google

2 – Atendimento Especializado

O atendimento especializado também mudou nessa edição. A solicitação dos candidatos com algum tipo de necessidade especial que vão realizar a prova precisou anexar laudos médicos no ato da inscrição, sendo que antes eles eram levados à porta do exame.

Em 2017, ao todo, foram mais de 52,2 mil solicitações, sendo que 13 mil eram de deficiência física, 8,3 mil de déficit de atenção e 4,9 mil de deficiência auditiva. Outros 5,6 mil pedidos foram indeferidos.

A prova em vídeo-libras também é uma novidade e será aplicada pela 1ª vez. Ela foi solicitada por 1,8 mil participantes, que vão receber os cadernos de questão em uma prova adaptada para deficientes auditivos.

O atendimento especializado do Enem contempla os seguintes portadores:

  • Que possuem baixa visão,
  • Cegos,
  • Visão monocular,
  • Deficiência Física,
  • Deficiência Intelectual,
  • Surdez,
  • Surdocegueira,
  • Dislexia,
  • Déficit de Atenção,
  • Autismo,
  • Discalculia (pouca habilidade em compreender números).

Para tanto, o Enem, através do MEC, se disponibiliza a oferecer os seguintes serviços:

  • Prova em Braile,
  • Tradutor-Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras),
  • Prova com Letra Ampliada,
  • Guia-Intérprete para pessoa com surdocegueira,
  • Auxílio para Leitura,
  • Auxílio para Transcrição,
  • Leitura Labial,
  • Tempo Adicional,
  • Sala de Fácil Acesso,
  • Mobiliário Acessível.

Além disso, conforme lei, o Enem disponibiliza também o atendimento especifico para:

  • Gestantes,
  • Lactantes (que estão amamentando),
  • Idoso,
  • Estudante em Classe Hospitalar,
  • Outras condições.

Nesses atendimentos, os recursos são oferecidos conforme as necessidades apresentadas pelos inscritos.

Por exemplo: uma mulher lactante poderá levar um acompanhante para o local de prova, que seja responsável por cuidar do seu filho entre os períodos que ela não estiver amamentando. Já para aqueles que estão em classe hospitalar, eles terão a liberdade de realizar a prova no seu ambiente de tratamento.

Vale lembrar que para todos os casos, é preciso comprovar a necessidade e o diagnóstico através de descrições das condições, número do CID (Classificação Internacional da Doença) e laudo médico comprobatório.

Nesses laudos, inclusive, devem contar informações como o nome completo do inscrito, carimbo e a autenticação do médico responsável, com o número do CRM (Conselho Regional de Medicina).

3 – INEP divulga exemplo de prova de libras

A prova vai conter 60 questões de edições anteriores do exame e tem como objetivo preparar os candidatos que vão fazer esse tipo de teste. Nessa simulação, as respostas poderão ser marcadas no próprio computador, o que não vai acontecer, da mesma forma, na prova real.

No dia do exame, esses estudantes devem repassar as respostas para o cartão-resposta impresso, assim como os participantes.

Além disso, os estudantes com deficiências desse tipo também podem optar pelo auxílio de um tradutor-intérprete de libras e leitura labial que prestará auxílio e esclarecerá dúvidas quanto à compreensão da língua escrita.

Para ter tais recursos, o estudante deveria ter enviado um anexo com o laudo médico que comprovasse a deficiência auditiva ou surdes logo na escolha do curso, que foi feita no ato da inscrição.

Esses candidatos também poderão ter 1 hora a mais de prova, contanto que tenha o benefício aceito.

As provas testes estão disponíveis no site da Universidade Federal de Santa Catarina e eles estão divididos entre as 4 disciplinas.

4 – Como Usar o Nome Social no Enem 2017

O nome social é o nome pelo qual os travestis ou pessoas transexuais escolhem para ser chamadas. Logo, aquelas pessoas que afirmam que seu gênero não se identifica com o seu sexo biológico podem ser, por exemplo, um homem trans, que nasceu com órgãos reprodutores femininos, mas não se identificam como mulheres.

Em síntese, o Nome Social é o nome que condiz com a sua imagem.

Reprodução: Google

Esse nome é garantido por lei e considerado pelos especialistas como uma forma de diminuir o preconceito e o constrangimento para essas pessoas. A partir de 2014 o nome social passou a ser permitido entre os transexuais e travestis durante a aplicação da prova do Enem.

Para esta edição, o nome social deveria ter sido solicitado durante o ato de inscrição do candidato, que aconteceu até o dia 19 de maio.

Quem não conseguiu fazer isso a tempo, teve outra chance: até o dia 29 de maio, com uma solicitação da mudança para o nome social feita ao INEP, através do site.

5 – Em Maio, curso de Medicina da Emescam confirmou que vai aceitar nota do Enem para ingresso de estudantes

A Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (Emescam) vai considerar a prova do Enem para compor a nota final da classificação do Processo Seletivo para o curso de Medicina.

A medida já está valendo para o vestibular 2018.

Conforme a instituição, a medida será usada junto com o método tradicional, que é de uma avaliação realizada pela Comissão de Vestibular a Instituição.

“Tal medida é resultado de discussões internas e pareceres da Comissão do Processo Seletivo e reflete o nosso respeito à política nacional de educação, sem abrir mão dos conhecimentos específicos que contribuem para a boa formação médica”, afirmou a Emescam, em nota.

Agora, a pontuação do Enem é somada à prova tradicional, mas o peso de ambas ainda não foi divulgado e só será informado no edital do processo seletivo, que será apresentado até novembro, época em que acontece o Enem.

6 – A Preparação

Entre maio, que é o final da inscrição, até novembro, que é quando acontecem as provas, os estudantes têm aproximadamente 5 meses de estudo. Nesse período, eles devem se dedicar a fazer o maior número de simulados possíveis.

Inclusive com as normas que são apresentadas no dia do exame: provas objetivas com 45 questões cada e uma redação. (vamos falar mais sobre a redação nos próximos tópicos).

Lembrando ainda que no 1º dia serão aplicadas as provas de ciências humanas e da natureza e o candidato terá 4 horas e 30 minutos para realiza-la.

Já no 2º dia, acontecerão as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, além da redação (dissertativa-argumentativa). Nesse dia, o tempo máximo de prova é de 5 horas e 30 minutos.

Essa preparação é importante porque o tempo do exame exige muita concentração e dedicação do candidato.

Para tanto, é possível também se preparar com base no aplicativo “Questões Enem”, que foi criado pela Empresa Brasileira de Comunicação e reúne provas de 2009 à 2013, com o objetivo de auxiliar o candidato para fixar o conteúdo estudado.

Outra dica é ler muito e escrever muito, também. A base de qualquer interpretação de texto é a leitura e a prova do Enem é considerada interdisciplinar, já que cobra conhecimentos gerais, acerca de muitos assuntos.

Por isso, aposte na leitura de jornais, revistas e esteja por dentro das transformações políticas do país e do mundo, além de aspectos econômicos e culturais.

Para Ler Depois: 15 Livros Clássicos vão contribuir para o seu sucesso no Enem

Vai Prestar o ENEM 2017? 15 Livros Clássicos vão contribuir para o seu sucesso

Clássicos transcendem o tempo em que foram escritos e ampliam nossa visão de mundo”, diz Júlio França, professor de literatura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Algumas das maiores universidades públicas do país, tais como a USP (Universidade de São Paulo) e a Unicamp (Universidade de Campinas), têm o que é chamado de leitura obrigatória, que nada mais do que a inclusão de livros, em sua maior parte clássicos, nas provas dos vestibulares que dão entrada à universidade.

Por enquanto, ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), que é considerada a maior porta de entrada dos alunos para uma faculdade e tem importância sobre quase todas as universidades do país e algumas de foram do país também ainda não adere à esse tipo de leitura.

No entanto, mesmo que tenha a obrigação dos livros, o ENEM tem o hábito de sempre inserir trechos de obras clássicas da literatura nacional. Portanto, não é incomum que o estudante e vestibulando tenha que fazer análises de trechos, obras e dessas figuras públicas que escreveram tais livros.

O que nos leva a crer que todo estudante que sabe, ao menos o mínimo, sobre a interpretação de uma dessas obras, com certeza, terá mais chances de obter bons resultados na nota final da prova e, sem contar ainda, que isso vai aumentar as chances dele ir bem na redação, que tem peso significativo para o sucesso do vestibular.

Leia na íntegra!

7 – Enem 2017 muda sistema de segurança para evitar roubos de senhas

O novo sistema de segurança tem o objetivo de evitar o roubo de senhas dos candidatos que fizeram o cadastro. As medidas já haviam sido anunciadas e foram iniciadas após alguns usuários cadastrados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), em 2016, terem afirmado que suas opções de cursos foram alteradas, assim como as senhas.

Portanto, para este ano, o candidato não precisou mais criar uma senha direto no Portal do Participante. Para tanto, recebeu um e-mail avisando sobre a mudança. E, é importante saber que a senha no Enem é a mesma para o Sisu.

Além disso, caso perca ou esqueça a senha, o candidato precisará informar uma lista de tópicos exigidos pela instituição, entre eles, o número de CPF, RG, celular, nome completo da mãe, entre outros.

8 – Redação

A redação é importante no Enem e por isso merece um tópico a parte. Se ela for zerada, o candidato perde todos os pontos, o que o deixa praticamente sem chance de conseguir uma boa colocação no Enem.

Para facilitar a vida do estudante e norteá-lo sobre o que estudar, a Revista QB reuniu todos os temas das redações do Enem desde a sua criação, que aconteceu em 1998.

Confira agora, em ordem cronológica!

  • 1998 – O tema foi “Viver e Aprender”, motivado pela música de Luiz Gonzaga Jr, que trazia trechos do “O que é o que é”.
  • 1999 – Cidadania e Participação Social.
  • 2000 – Direitos da Criança e do Adolescente: como enfrentar esse desafio nacional
  • 2001 – Desenvolvimento e Preservação Ambiental: como conciliar interesses em conflito??
  • 2002 – O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?
  • 2003 – A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo?
  • 2004 – Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação.
  • 2005 – O trabalho infantil na realidade brasileira.
  • 2006 – O poder de transformação da leitura.
  • 2007 – O desafio de se conviver com a diferença.
  • 2008 – Como preservar a floresta Amazônica.
  • 2009 – O indivíduo frente à ética nacional. Devido ao vazamento da prova, em 2009, houve dois temas de redação: o da prova cancelada e o da prova refeita. A proposta de redação da prova cancelada foi a “Valorização do idoso”.
  • 2010 – O trabalho na construção da dignidade humana. Os problemas em 2010 foram erros na impressão. Os candidatos que se sentiram lesados refizeram a prova, que teve a proposta de redação “Ajuda humanitária”.
  • 2011 – Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado.
  • 2012 – O movimento imigratório para o Brasil no século XXI.
  • 2013 – Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil.
  • 2014 – Publicidade infantil em questão no Brasil.
  • 2015 – A persistência da violência contra a mulher no Brasil.
  • 2016 – Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil. Na segunda aplicação da prova, Caminhos para combater o racismo no Brasil.

9 – No dia da Prova

O mais aconselhável é chegar ao loca até 1 hora antes do fechamento dos portões, lembrando que se o candidato chegar depois disso, perderá a prova sem chances de poder refazê-la.

Conforme o edital, o estudante só pode fazer a prova depois que ler as instruções contidas na capa do Caderno de Questões, no Cartão-Resposta, na Folha de Redação e na Folha de Rascunho.

É obrigatório o uso de caneta esferográfica de tinta preta, feita em material transparente.

Durante a prova não é possível fazer consultas ou ter comunicação com outros participantes, sendo que pode ser penalizado com a eliminação do exame. Assim, não leve ao local dispositivos eletrônicos como calculadoras, celulares, tablets, relógios, transmissores, gravadores, receptores, etc.

Quaisquer outras dúvidas podem ser respondidas pelo Atendimento ao Cidadão, pelo número 0800-616161 ou através do “Fale Conosco”, nos sites do Inep ou do MEC.

Você vai prestar o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) em 2017? Então, já deve ter dado uma busca aí no Google: “ENEM 2017”, não é? E o que encontrou? Frases típicas como “Não comece pelo começo”, “Visite o local da prova com antecedência”, “Evite baladas no dia anterior à prova”… Coisas desses tipos, não é verdade?

  • Mas, quais serão que são as dicas que realmente vale a pena?

As 7 Melhores Dicas, de Todos os Tempos, para se dar bem no ENEM 2017

10 – Acesso à Universidade

Várias instituições de ensino superior aceitam o Enem como forma de entrada do aluno, assim como mostramos no tópico 5. Esse acesso pode ser feito como uma combinação do resultado do Enem ou com o do vestibular.

Além disso, a nota do Enem também é importante para concorrer a bolsas de estudo, que podem ser integrais ou parciais, em instituições privadas, a partir do programa do Ministério da Educação – Prouni.

Leitura Adicional: PROUNI ou FIES? Saiba qual é a diferença entre os dois

Existe um documento oficial, que mesmo não sendo recente, ainda é muito repercutido nas mídias sociais e em todo o mundo. O artigo chama-se “Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro” e foi escrito por integrantes da UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization). Segundo esse artigo, que é de 2011:

“171 milhões de pessoas poderiam sair da pobreza se todos os estudantes de países de baixa renda obtivessem na escola as habilidades básicas de leitura, o que corresponde a uma queda de 12% no número de pessoas que vivem com menos de 1,25 dólar por dia”.

Essa ideologia fez parte de um relatório global em incentivo à educação, que contou com a participação de vários países, inclusive, o Brasil.

Agora, se você já concluiu o ensino médio e também acha que a educação é a chave para um futuro melhor, então, saiba que entrar em uma boa universidade é o ponto de partida para alcançar esse objetivo. E é sobre isso que vamos falar no artigo de hoje.

O PROUNI e o FIES são considerados, hoje, os melhores programas (ou, pelo menos, os mais democráticos) para os estudantes conseguirem uma oportunidade na Faculdade.

Seja com Bolsas integrais ou parciais, ou então, com o financiamento; seja com uma boa nota no Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) ou com a comprovação de uma Renda Salarial Média… As oportunidades estão aí e você só precisa saber aproveitar.

Tem interesse em entrar na Escola de Ensino Superior sem pagar nada? Quer uma “ajudinha” para financiar os estudos? Saiba que é possível. Leia esse texto até o final e descubra como no texto abaixo.

PROUNI ou FIES? Saiba qual é a diferença entre os dois

Com informações da uol, globo, universia, querobolsa

Terminaram as inscrições do Enem 2017. 10 informações importantes para saber agora!
5 (100%) 1 vote

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.