21 Exercícios Neuróbicos Mentais para Melhorar a Memória

Imagina você conseguir relacionar dois objetos e, em seguida, usar essa relação para lembrar de uma ação ou comportamento. Isso parece ótimo, não é? O que acontece é que essa é mais uma das várias estratégias usadas para melhorar a memória – tanto de idosos quanto de pessoas que sofrem com problemas de amnésia.

Se usadas das formas corretas, essas estratégias podem também ser usadas para fixar conteúdos, importantes a vida escolar e estudantil de vários candidatos à concurso público ou vestibulares.

O estudo foi feito pela organização canadense Baycrest Health Sciences, que mostrou com um exemplo simples como é possível se comportar com a previsão do tempo para o dia de chuva imaginando um guarda-chuva na frente da fechadura da porta da casa, o que impede com que ela seja trancada.

Esse exercício mental, como é chamado, tem muitas probabilidades de te ajudar no não esquecimento do guarda-chuva.

Para eles, os dois objetos – guarda-chuva e fechadura – é uma combinação possível para abrir ou trancar a porta de casa, o que colabora para a melhoria da memória, conforme o estudo que foi publicado no periódico “Memory & Cognition”.

A tática foi chamada de “unitização” e começou a ser usada por um homem que tem amnésia e passou a conseguir criar novas memórias, apesar de suas condições, depois que recorreu à técnica em questão.

Entender essa alternativa pode fazer com que ela seja usada em programas de reabilitação de memória para pessoas idosas, como diz Jennifer Ryan, que é cientista sênior do Instituto de Pesquisa Baycrest’s Rotman.

“Pesquisas anteriores mostraram que imaginar dois objetos juntos, praticamente fundidos em um, ajuda as pessoas a trabalharem em torno desses déficits de memória, mas nosso trabalho demonstra que compreender a relação entre dois itens é também importante”, diz Ryan, que também atua como professora de psicologia e psiquiatria na Universidade de Toronto.

“Nós sabemos que função cognitiva é prejudicada durante o envelhecimento, e essa estratégia pode ser inclusive uma solução alternativa para problemas de memória em pessoas mais jovens, dependendo do objetivo que se quer atingir”.

Leia Também: 27 Jogos e Aplicativos para Treinar a Memória e o Raciocínio Lógico

Reprodução: Google

Resultados da Performance da Pesquisa

O estudo avaliou o desempenho de 80 idosos com idades entre 60 e 90 anos. Um grupo foi treinado e testado para uma tarefa inicial. Depois, os idosos aprenderam características individuais da unitização (fusão, movimento, ação e consequência).

Após esse contato com as novas abordagens, os participantes foram testados de novo para comparação.

Os resultados apontaram que, depois de treinados com tal técnica, os idosos apresentaram ganhos notáveis.

“Estamos tentando entender o que é importante para a unitização e o que as pessoas precisam aprender para alcançar o máximo de benefícios a partir dela”, diz Ryan.

“Não há uma estratégia única que irá reparar sua memória, mas um método pode ser mais adequado que o outro”, conclui.

Os próximos passos da pesquisa é realizar explorações nos sistemas cerebrais com tais estratégias de apoio à memória.

Exercício Neuróbicos

A notícia acima foi citado porque faz parte de uma série de estudos que tem sido feito na área da memória, com a finalidade de prevenir doenças e melhorar a fixação de conteúdos. Agora, nesta parte do artigo vamos falar sobre Exercícios Neuróbicos, que talvez você ainda não conheça.

O cérebro perde sua capacidade produtiva ao longo dos anos e, se não for treinado, pode falhar em momentos diversos – como na hora de fazer uma prova importante.

Larry Katz é um neurocientista norte-americano que estudou muito que é chamado de neuróbica, que nada mais é do que uma ginástica específica para o cérebro.

Uma teoria firmada por ele é baseada no argumento que diz que para se desenvolver de forma equilibrada, o cérebro tem que ser treinado, estimulado e desenvolvido. Logo, não temos o hábito de prestar atenção naquilo que fazemos de forma mecânica.

“O objetivo da neuróbica é estimular os cincos sentidos por meio de exercícios, fazendo que você preste mais atenção nas suas ações e então, melhore seu poder de concentração e sua memória”, diz a psicóloga analista comportamental e cognitiva, Mariuza Pregnolato.

“Não se trata de acrescentar novas atividades à sua rotina, mas de fazer de forma diferente o que é realizado diariamente”.

Ivan Okamoto é outro neurologista que estuda a prática dos exercícios que ajudam a desenvolver habilidades motoras e mentais.

“Se você é destro e começa a escrever com a mão esquerda, desenvolverá sua coordenação motora de modo a conseguir escrever com as duas mãos e caso um dia, tenha algum problema que limite a escrita com a mão direita, terá a esquerda bem capacitada para isso”, ele afirma.

“Mas o fato de praticar este tipo de exercício não significa que você se verá livre de problemas como esquecer de pagar as contas, tomar o remédio ou algo do gênero”, explica.

Reprodução: Google

Como Funcionam os Exercícios Neuróbicos?

Nada mais é do que uma inversão na ordem de movimentos comuns ao nosso cotidiano, onde altera-se a forma de perceber as coisas, sem que haja modificação na rotina. O objetivo é ter consciência sobre as ações que levam às reações emocionais e cerebrais.

No geral, costumam ser exercícios como ler ao contrário, conversar com o vizinho que nunca dá bom dia, entre outros.

“São aqueles hábitos que ajudam a estimular a produção de nutrientes no cérebro desenvolvendo suas células e deixando-o mais saudável”, diz Mariuza Pregnolato, que é psicóloga em análise comportamental.

“Essas atividades funcionam, mas a neuróbica é ainda mais simples. Em vez de se inscrever em um super desafio de matemática e ficar memorizando fórmulas, que tal vestir-se de olhos fechados ou andar de trás para frente”?, ela sugere.

Além disso, imaginar fazer cálculos mentais. Ao longo do dia, treine operações aritméticas simples mas que sejam ágeis. Some os possíveis números pelos quais passa na rua se estiver a pé – placas de carros, números de casas, de prédios, telefones, etc.

4 + 3 + 7 + 6 + 9 + 2 + 1 + 8 = 40

Outra opção é optar pelos jogos de concentração quando tiver um tempo livre. Escolha quebra-cabeça e de memória, que são os mais recomendáveis. Isso exercita o cérebro e tem a associação com imagens, o que te deixará mais habilidoso.

Sudoku, Palavras Cruzadas e Dominó também são indicados.

O Treino do Cérebro

Outro estudo, dessa vez da Universidade de Lund, na Suécia, mostrou que as pessoas são capazes de treinar os seus cérebros e esquecer determinadas memórias, inclusive, aquelas mais embaraçosas.

Afinal, conforme cientistas, é o ser humano quem controla tais mecanismos do cérebro.

Quer saber como fazer isso? Simples: foque nos momentos felizes e pare de retornar a acontecimentos que foram ruins para você!

“O cérebro guarda apenas fragmentos do que aconteceu e, na hora de montar o quebra-cabeça das lembranças, contam as emoções e a maneira como a pessoa percebeu o fato ocorrido. Quem tem memória é o computador. O que nós temos é uma vaga lembrança”, diz o neurofisiologista Luiz Eugênio Mello, da Unifesp.

Renato Alves é preparador mnemônico e autor do livro “Não Pergunte se ele Estudou – Como Desenvolver nos Filhos o Interesse e a Motivação nos Estudos”.

Ele diz que “o estudante quer absorver todo conteúdo numa leitura só. A leitura de um texto implica em uma segunda leitura. Essa releitura é que faz o aluno fixar o aprendizado. O erro mais comum é a falta de paciência”.

21 Exercício Neuróbicos Mentais

A proposta é simplesmente mudar o comportamento rotineiro e forçar a memória a trabalhar. Selecionamos algumas opções de como fazer isso.

Como a Memória Seletiva pode ser a sua principal técnica durante os estudos?

Os Sentidos

“Os exercícios usam os cinco sentidos para estimular a tendência natural do cérebro de formar associações entre diferentes tipos de informações, assim, quando você veste uma roupa no escuro, coloca seus sentidos em sinal de alerta para a nova situação. Se sua visão for dificultada, e é isso que faz com que você sinta o efeito dos exercícios, outros sentidos serão aguçados como compensação”, diz Mariuza.

No caso do paladar, uma boa dica é fazer combinações gastronômicas inusitadas. Por exemplo, misture o doce com o salgado e assim por diante.

Corpo e Mente

“Não dá para aumentar a nossa capacidade cerebral, o que acontece é que com os exercícios você consegue ativar áreas do seu cérebro que deixou de usar por falta de treino”, diz Mariuza.

“Você só estimula o cérebro se o exercita, por isso quem sempre esteve atento a esta questão terá menos problemas de saúde cerebral, como demência e as doenças cognitivas, como o Alzheimer”, considera.

1 – Use o Relógio no Pulso Direito

2 – Ande pela casa de trás para frente

3 – Vista-se de olhos vendados

4 – Veja as horas no espelho

5 – Troque o mouse do computador de lado

6 – Escove os dentes usando as duas mãos

7 – Quando for trabalhar, use um percurso diferente do habitual

8 – Introduza pequenas mudanças de hábitos cotidianos, transformando-os em desafios para o seu cérebro

9 – Faça atividades diferentes com seu outro lado do corpo e estimule o seu cérebro. Se você é destro, que tal escrever com a outra mão

10 – Ao entrar em uma sala com muita gente, determina quantas pessoas estão do lado esquerdo e quantas do lado direito. Depois, identifique os objetos de decoração, feche os olhos e enumere cada um

11 – Memorize tudo que precisa comprar no supermercado em vez de elaborar listas. Use técnicas de memorização ou separe mentalmente o tipo de produto que precisa, todos os métodos são válidos

12 – Ouça notícias no rádio ou na televisão quando acordar e durante o dia escreva os principais pontos de que precisará se lembrar

13 – Estimule o paladar, coma comidas diferentes

14 – Leia ou veja fotos de cabeça para baixo concentrando-se em pormenores nos quais nunca tinha reparado

15 – Folheie uma revista e procure uma fotografia que lhe chama a atenção e depois pense em adjetivos que ache que a descrevem a imagem ou o tema fotografando

16 – Quando for em um restaurante, tente identificar os ingredientes que compõem o prato que escolheu e concentre-se nos sabores mais sutis. Depois, tire a prova junto ao garçom

17 – Selecione uma frase de um livro e tente formar uma frase diferente usando as mesmas palavras

18 – Experimente jogar qualquer jogo ou praticar atividades que nunca tenha feito

19 – Compre um quebra cabeça e tente encaixar as peças corretamente o mais rápido possível e repita a operação várias vezes

20 – Recorra a um dicionário e aprenda uma palavra nova todos os dias e tente introduzi-la nas conversas que tiver

21 – Ao ler uma palavra prense em outras cinco que começam com a mesma letra

Depois de tudo isso não nos resta outro ponto a se falar a não ser sobre a saúde física. Ivan Okamoto diz que é preciso ter um estilo de vida mais tranquilo, com alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos.

“A melhor maneira de manter a memória em dia é cuidar da saúde, por isso é importante evitar o cigarro e as bebidas alcoólicas, seguir uma dieta equilibrada, praticar exercícios e exercitar o cérebro. Manter a atividade mental, seja trabalhando ou participando de atividades em grupo ajuda a elevar a autoestima e deixa a memória a todo vapor”, diz.

Reprodução: Google

Bônus: Os Melhores Exercícios para Estimular a Memória das Crianças

O 1º ponto importante é: deixar as crianças em um ambiente adequado, que favoreça a concentração, onde elas serão capazes de direcionar todos os sentidos para esse momento de aprendizagem.

Portanto, exercitar a memória tem que ser divertido, especialmente se a criança tiver entre 3 e 6 anos. Todos os exercícios que vamos propor aqui são recomendáveis para elas e é possível que se aumente a complexidade do desafio conforme a criança demonstrar mais facilidade para resolvê-lo.

Jogo da Memória

São tradicionais e compostos por cartões de associações. Primeiro, eles são expostos para as crianças e depois virados para baixo, de modo que as imagens fiquem ocultas. A tarefa é usar um breve na qual a imagem ficou exposta para memorizar a posição de cada imagem.

Aí, depois de virados para baixo, o desafio é lembrar onde estão os pares certos, mesmo sem vê-los.

O jogo é simples e prático e, por isso, um dos mais aconselháveis. Além de se fácil de ser encontrado, você também pode se dispor a fabricar o próprio produto com as crianças, o que eleva o grau de interesse na brincadeira. Os materiais podem ser mínimos, como revistas, papéis, caneta, tesoura, entre outros.

O Que Tinha Aqui?

Esse não é tão comum, mas também é simples. Coloque vários objetos em cima da mesa, como utensílios de cozinha, material escolar, brinquedos. Peça para a criança observar por um tempo àqueles objetos, com muita atenção. Depois, retire os objetos e deixe-os fora do campo de visão da criança. O desafio é que ela recorde tudo o que estava na mesa, trazendo-o de volta em cada acerto.

Lembrar o Dia

É uma brincadeira que pode ser feita à noite, antes de dormir. Convide seu filho para se lembrar do passo a passo de tudo que aconteceu durante o dia. É um bom exercício de memória e também funciona para que ele viva as boas emoções do dia, notando o bom desempenho na prova ou à vista à cada de um amigo querido.

O que Mudou?

É parecido com o jogo “O que tinha aqui”, no entanto, nessa brincadeira não tiramos todos os objetos da mesa. Depois que a criança tiver tempo suficiente para memorizar aquilo que foi exposto, ela pode se virar de costas ou fechar os olhos. Enquanto isso, algo tem que ser modificado de lugar, na disposição. Pode ser uma troca de lugar ou a ausência de um deles, por exemplo.

Canções Infantis

As crianças, normalmente, adoram músicas infantis e isso pode ser usado em favor da memória deles. Um dos vários exercícios possíveis é escolher algumas músicas que eles sempre ouvem e deixa-las tocar até certo ponto, pare a música e peça para que eles continuem, completando a letra.

O jogo é simples, mas além de estimular a memória também busca a agilidade de pensamento e a atenção.

O Jogo das Histórias

Se você tem o hábito de ler para o seu filho ou contar-lhe histórias, então pode treinar a memória dele fazendo o seguinte: comece contando aquela história que ele já sabe, só que em determinado momento você muda o contexto. Assim, ele vai saber que houve um erro e poderá buscar na memória qual era a história verdadeira, corrigindo o seu conto atual.

Números de Telefones

Esse jogo é para as crianças maiores. Mas, dependendo da idade e do interesse, pode ser feito com menores também. O ideal é você escrever o nome da pessoa e o telefone na linha de baixo. Faça isso com vários números de telefones e nomes de pessoas.

Depois, peça para as crianças memorizar tais nomes e números. Ao fim, separe os nomes dos números, misture e peça para que encontre o número certo com o nome adequado, ligado a pessoa ao número do telefone.

Sabe qual o Jeito Mais Simples de Memorizar Informações para Concursos?

HomeScholers

É um hábito muito comum nos Estados Unidos. Tipicamente, as crianças têm familiaridade com temas escolares, sendo que fazem exercícios em casa, como a Lição de Casa aqui do Brasil. Porém, lá, a casa toda é decorada com linhas do tempo, mapas, fotografias de personagens históricos, poesias, livros, entre outros.

Para os especialistas, isto traz alguns benefícios diretos para a educação da criança.

Entre eles, o fato de as crianças se tornaram mais confiantes com a sua própria capacidade de aprender e, além disso, participam de forma ativa. Os pais conseguem notar quais as formas mais fáceis para cada filho aprender. Enquanto um gosta de mapas visuais, outros podem preferir as canções.

O ritmo da tarefa pode ser controlado conforme o desempenho da criança. Entre outros benefícios.

Truques de Memória para Crianças

Durante a vida escolar, as crianças tem uma memória que funciona em um “piloto automático”, onde as operações são feitas sem muita vontade. A partir dos 6 anos, elas começam a praticar de forma voluntária, codificando a memória. Depois disso, o currículo escolar já exige um conhecimento dos alunos, o que exige ainda mais da memorização.

Sobre isso, separamos 4 truques de memória para as crianças. Confira.

Antes de Memorizar, é preciso Prestar a Atenção

Quando for realizar uma atividade, evite qualquer coisa que possa se tornar uma distração. Inclusive, celulares e aparelhos eletrônicos. Um estudo feito em 2011 mostrou que aquelas crianças que tentam ouvir música enquanto estudam, levam mais tempo para aprender e codificar a informação.

Para Otimizar a Memória, Divida em Sessões de Estudo

Sessão de estudos nada mais é do que categorias. Defina também os períodos de estudo, de tempo e de espaço. A melhor forma de ajudar nossos filhos a memorizar conteúdos é fazê-lo estudar em cada unidade em cada momento, para só depois relembrar o que foi estudado.

Para Maximizar a memória, Tem que Dormir Bem

Dormir é peça chave nessa discussão e dormir bem é sumamente importante para consolidar as memorias. É o momento em que o cérebro pode melhorar o armazenamento do que foi estudado consolidando com aquilo que já é conhecido. Enquanto dormimos, nossa memória é estabilizada.

Memória é importante na participação da Aprendizagem

O conhecimento não tem que ser entregue apenas aos professores ou aos livros, mas sim ao aluno. Portanto, incentivar os filhos a pensar mais sobre o que estudar, assim como realizar mais leitura ou perguntar sobre o que eles não entendem são formas de melhorar a codificação da memória.

Reprodução: Google

O esquecimento é algo muito comum e faz parte da vida da maioria das pessoas

“Não conheço ninguém que esteja satisfeito com a própria memória. Embora o esquecimento faça parte do processo de aprendizagem, todos no revoltamos contra essa traição do cérebro, ás vezes, nas horas mais inconvenientes”, diz o médico Drauzio Varella.

Ele ainda comenta que para os jovens, a explicação parece sempre ser a mesma: “ah, ele é desligado, não presta a atenção em nada”. Mas, para os velhos, a resposta é diferente: “Eu tinha uma boa memória, mas vira e mexe eu me esqueço das coisas”.

O que acontece, na visão do médico, é que os lapsos de memória podem  ocorrer de várias formas, como uma sobrecarga de atividades, que é tão comum nos dias atuais ou alguma doença que justifique tal deficiência.

Dessa forma, o médico entrevistou outro especialista: Wilson Jacob Filho, que é representante do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, dessa entrevista, selecionou alguns trechos que vão fechar o nosso artigo de hoje e que fazem todo sentido com o tema que estudamos aqui.

– “O modelo pedagógico indicado para o indivíduo numa fase mais avançada da vida precisa ser diferente. Embora a forma de adquirir conhecimento, de memorizar as coisas não seja a mesma das épocas precedentes, é perfeitamente possível guardar informações na memória numa fase mais avançada da ida, desde que não haja doenças que comprometam o funcionamento cerebral”.

– “Como Regra Básica, é preciso entender que a memória é falível em qualquer fase da vida e que o uso de um instrumento mnemônico, de algum artificio, que ajude a manter a informação disponível, deve ser encarado sem preconceito. Muitas pessoas reclamam que, a partir de determinado momento, foram obrigadas a usar agendas. Eu lhe mostro minha agenda, onde são registradas palavras-chaves, um recurso mnemônico que utilizo para organizar meus compromissos”.

– “Primeiro gostaria de dizer que não existe remédio para melhorar a memória ou aumentar a capacidade dela. Desde os fitoterápicos frequentemente utilizados até os químicos tem atividades comprovadas para aumentar os coeficientes da memória. Remédio bom para a memória é o treino da memória”.

Com informações do oglobo, abril e minha vida