Encontrado o Jeito Certo de Estudar Mais em Menos Tempo

0
14

Imagine que você tenha a chance de conhecer algumas técnicas que te façam estudar mais em menos tempo… Imagine agora que você tenha a chance de descobrir isso apenas com a leitura de um texto, que não leva mais do que 10 minutos!

É sobre isso que vamos falar neste artigo! Leia até o final e descubra como é possível estudar em menos tempo, mas com mais qualidade!

Sobre a História de Sucesso de Muitos Concurseiros

Se notarmos o noticiário, aliás os editais de convocação de concursos públicos, não será raro encontrarmos nomes de pessoas que representam ilustres histórias de lutas.

Mesmo que não seja a totalidade, essas histórias representam a maior parte dos convocados.

São pessoas que estudaram muito, mas em tempos totalmente escassos. Os estudos aconteciam nos intervalos entre um caminho e outro ou, por que não, no horário do almoço ou do jantar.

Ainda que seja uma afirmação totalmente informal, não é raro o caso de pessoas que estudaram bem menos do que 4 horas por dia, o que, de forma teórica, não costuma ser indicado para quem quer passar no concurso público ou em um vestibular bem difícil.

Mas, como essas pessoas, mesmo estudando pouco tempo por dia, conseguiram mais sucesso do que outras que estudaram bem mais horas?

A resposta é bastante simples: a qualidade do estudo.

Ah, sim! A qualidade do estudo pode te levar ao sucesso da mesma forma que te leva ao fracasso.

Por que Otimizar o Tempo é Importante

Há vários motivos para falarmos do tempo – ou da falta dele – para os estudantes a começar pelo breve período entre a publicação do edital e a data prova.

Além disso, fatores extra estudos também influenciam, como o fato de ser necessário conciliar o trabalho com o estudo.

Ou, simplesmente, conseguir encontrar o equilíbrio entre o tempo do estudo e a vida social, levando em conta que a prática de exercícios físicos e o lazer são de grande importância para todo estudante, seja do Enem ou de Concursos  Públicos.

Mas, o principal motivo pelo qual os alunos buscam a otimização do tempo é quando se referem à quantidade de matérias que tem que estudar.

A lista de tópicos com os assuntos que vão cair nas provas é sempre bem extensa.

Reprodução: Google

Fora isso, em muitos casos, ainda há a lista de livros obrigatórios. Ou simplesmente, leis.

Há de se pensar ainda em fórmulas matemáticas, onde cada capítulo é importante para a compreensão do próximo. Logo, se você não entendeu o 1, não vai poder seguir a diante, no 2.

Bônus 1 no Final do ArtigoComo Estudar Matemática para Concurso?

E, querendo ou não, as provas são verdadeiros tiros no escuro quanto ao tema que mais vai aparecer. Portanto, é aconselhável “dar uma passada” em todos os temas cobrados

Assim, não adianta você saber tudo da nova ortografia, se não tiver uma boa base da compreensão de textos. Ambas são da Língua Portuguesa, mas nunca se sabe, ao certo, qual será mais cobrada. Por isso é importante saber “de tudo um pouco”.

Mas, saber “muito de tudo” não é impossível, ainda mais se você conseguir aliar o Estudo de Qualidade com a Otimização do tempo.

A Qualidade do Estudo

Já citamos que o esforço é fundamental para os estudantes irem bem nas provas. E falamos sobre a importância de otimizar o tempo de estudo.

Resta agora saber como fazer tudo isso sem perder a qualidade do estudo.

Estudar com Qualidade é entender e compreender o que está sendo estudado. Assim, por mais interessante que um tema seja, se você estuda-lo hoje e não “falar” mais nele, com certeza, vai esquece-lo em não mais do que 10 dias.

  • O que fazer para reter esse conhecimento?

É agora que entram as técnicas de memorização. Note que elas não substituem o esforço do estudante, mas agregam valor ao poder da aprendizagem.

  • Você ainda não entendeu?

Vamos dar um breve exemplo de uma das técnicas de memorização mais efetivas do mundo: a prática de exercícios.

Se você estuda hoje e faz os exercícios correspondente, você consegue reter mais o conhecimento adquirido. Se na semana seguinte faz uma revisão, esse conhecimento se mantém em alto nível.

É apenas isso: fazer revisões e praticar exercícios.

Bônus 2 no final do artigoCom a mudança, como controlar o tempo de prova do Enem 2017?

Portanto, nunca considere esses itens como perca de tempo, porque, na real, eles fazem justamente o contrário.

Só que aí entram outros detalhes importantes: como usar essas técnicas, ou seja, como fazer os exercícios da forma correta?

Sobre isso, o artigo vai se alongar por muito tempo, então, recomendamos que vocês conheçam o Renato Alves, que é quem conhece tudo sobre As Técnicas De Memorização.

Revisões Programadas

A revisão programada, para valer a pena, precisa ser feita em momentos certos, respeitando o funcionamento do cérebro e levando em consideração, inclusive, a ação da curva do esquecimento. Isso não é uma perca de tempo, ok?

Se você quer conhecer os verdadeiros ladrões de tempo na hora do estudo, aguarde um pouco, porque temos um tópico especifico falando disso ao final do texto.

As funcionalidades dessas revisões são as seguintes: reativação da memória, assimilação das informações mais importantes (lembre-se que tudo é uma questão de prioridades) e aumenta a retenção daqueles 75% iniciais aprendidos durante a aula.

Então, de fato, perde tempo quem não faz a revisão programada porque, assim, se você não fizer, vai precisar estudar toda a matéria novamente, como falamos acima.

OS 4 ERROS GRAVES NO ESTUDO

1ª revisão que deve ser feita é imediatamente após o contato inicial com a matéria, antes mesmo de passar para uma próxima disciplina ou tópico de estudo. A 2ª revisão precisa ser feita nas 24 horas seguintes ao contato inicial com a matéria.

outra revisão deve ser feita uma semana após o estudo… Bom, até aqui você já notou que estamos seguindo a curva do estudioso Hermann, não é?

E assim deve ser! Essa é a forma correta de fazer revisões programadas. Sendo que quando você atingir 30 dias após o contato inicial com a matéria, deverá fazer as revisões mensalmente, até a data da prova.

Quanto mais você revisar, mais você vai lembrar-se durante a prova”. Por sinal, a 1ª revisão pode ser feita em aproximadamente 10 minutos, enquanto que as posteriores não levarão mais do que 5 minutos!

Estratégia Número 2: Não há regras

Parece contrário. E é! Porque a estratégia que citamos tem muita chance de dar certo, afinal, é um estudo global e, na prática, deu certo. Porém, é preciso levar em conta também os seus aspectos pessoais.

Afinal, um mesmo remédio para dor de cabeça não faz o mesmo efeito para todas as pessoas, por exemplo.

Você deve levar em conta itens como a quantidade de matérias a ser estudas e revisadas, a sua disponibilidade de tempo (sobre isso vamos falar abaixo), as suas metas periódicas, a densidade do seu material de estudo e suas anotações.

São esses e outros fatores que vão ser determinantes na hora de você revistar o conteúdo, isso sem contar ainda com a sua experiência com os estudos e o seu bom senso.

Entenda como funciona a Curva do Esquecimento!

Didaticamente falando a Curva do Esquecimento interfere nos seus estudos da seguinte forma: imagine que você vá para uma aula sobre um assunto que nunca viu (ou que tenha pouco conhecimento) durante 60 minutos. Ao término da aula, o seu cérebro terá absorvido, no máximo, 75% das informações que você estudou.

Esse é o 1º fato para entender a curva. O nosso cérebro não tem informações suficientes para entender 100% da matéria que estamos estudando, isso porque, como avisamos, é a primeira vez que você está vendo aquela matéria. Depois disso, o processo de esquecimento começar a entrar em declínio e de forma progressiva, sendo assim:

  • Ao término da aula: você aprende 75% do conteúdo,
  • 10 minutos depois: você perde mais 30% do que estudou,
  • Em 24 horas: você lembrará apenas 22% do que aprendeu na aula,
  • Posteriormente há 7 dias: você se lembrará apenas de 10% da matéria,
  • 30 dias após o estudo: segundo o estudo, você já terá esquecido todo material estudado.

E aí, voltamos para a estaca zero, como falamos no começo do texto. Você vai precisar estudar tudo de novo! Esse, sem dúvidas, é o maior sabotador dos seus estudos! Então, qual a solução: estudar apenas 1 mês antes de acontecer a prova ou o concurso? Claro que não, afinal, você não terá tempo suficiente para absorver tudo que é exigido nos editais.

APRENDA A USAR A MEMÓRIA COM INTELIGÊNCIA

A Conclusão é que, conforme opinião dos especialistas, se você não fizer alguma coisa para reter a matéria na memória até o dia da prova, ela será, naturalmente falando, esquecida.

Independente de qual curso você faça ou como estuda, se você não tiver uma boa estratégia para superar e vencer a Curva do Esquecimento, então, definitivamente, ela vai destruir os seus esforços e os seus sonhos!

Considerações Finais

Observe que cada pessoa tem um jeito de estudar, assim como há matérias mais fáceis para uns, que são mais difíceis para outros. Portanto, o estudo é uma questão totalmente particular.

O que precisa ser levado em conta é que todo estudante que busca sucesso nas provas, vai precisar se esforçar e buscar conhecimento. Para tal, pode se apoiar em algumas técnicas, que são gratuitas e colaborativas.

Bônus 1: Como Estudar Matemática para Concurso?

Como dissemos, os temas são variados demais, mas conseguimos selecionar alguns que sempre fazem parte do edital: sistema métrico decimal, razão, proporção, regra de três, porcentagem, equações do 1º e do 2º grau, produtos notáveis, álgebra, progressão aritmética, geometria, juros, probabilidade.

Se por um lado é muito complexo citar as fórmulas e as teorias de cada elemento citado na frase acima, de outro podemos chegar à algumas conclusões gerais sobre a forma de como estudar matemática para concurso.

Para explicar isso, criamos alguns tópicos, bastante simples, e que todo estudante deve fazer para conseguir sucesso no concurso público e conseguir uma boa pontuação em matemática.

  • Prática

Como qualquer outra matéria, é muito complicado aprender apenas escutando. É necessário fazer exercícios, muitos exercícios. Quanto mais o concurseiro pratica, mais ele absorve do conteúdo. Com o tempo e muitos exercícios, ele será capaz de resolver qualquer questão a cerca daquele tema.

É importante notar que cada exercício tem suas particularidades, por isso, eles nunca vão ser considerados “os mesmos” ou “iguais”. Na matemática, como todos sabem, uma vírgula pode mudar tudo. Pode mudar, até mesmo, a sua colocação no ranking dos melhores colocados.

Para esse tópico, a dica então é: Fazer Simulados, o máximo possível.

  • Erros

Mesmo para quem gosta muito do tema, o erro, muitas vezes, é inevitável. A matemática, diferente de um texto discursivo, não tem uma resposta “meio certa”. Ou é ou não é. Ou é negativo ou positivo, por exemplo.

Então, como o estudante fará muitos simulados, é muito importante verificar os resultados e notar quais foram os erros. Depois, examine o processo em detalhes e descubra no que errou. Assim sendo, continue fazendo simulados até acertas questões como aquela.

Se o estudante consegue observar o erro e refaz o exercício acertando-o, dificilmente ele errará novamente um exercício parecido.

  • Conceitos

Aqui neste artigo você já ouviu dizer de peculiaridades, não é? E tem outro termo que é bastante usual na matemática também: variações. Para aprender matemática, é importante entender os conceitos e as fórmulas por trás de cada problema, justamente porque elas têm muitas variações.

UM SEGREDO IMPORTANTE SOBRE A MEMORIZAÇÃO QUE TODO CONCURSEIRO TEM QUE SABER

Por ser um assunto em sequência, o candidato à concurso público tem entender (muito bem) a base de tudo. A partir daí será possível compreender o restante dos assuntos. Portanto, a dica é: buscar sempre o conceito de cada problema, de cada fórmula, de cada situação.

  • Atenção

Aqui vale citar dois pontos. O 1º deles é a atenção: o estudante precisa te muita atenção no assunto que for estudar, e isso é ainda mais essencial com a matemática, que possui conceitos e regras.

Acredite você ou não (isso vai parecer piada, mas é verdade): muitas vezes, o problema da matemática é a língua portuguesa. Como assim? Se o aluno não compreendeu o enunciado, então, pode colocar tudo a perder, de fato.

Já pensou, seria assustador ele saber a fórmula, entender o conceito, mas não conseguir identificar o que o título do exercício está pedindo. Mas, isso acontece de forma constante.

A dica é ler com muita calma porque no próprio título pode estar o caminho certo para a resolução do problema.

Outro ponto também é importante é sobre as dúvidas. Seja em sala de aula, em conversas de grupos, redes sociais, bate-papo… Nunca leve as dúvidas para casa ou para a prova. Se você não entendeu uma questão, questione a resposta certa. Lembre-se que a matemática é sequencial e você, necessariamente, precisa entender cada passo para ir para o seguinte.

Reprodução: Google

Também vale citar nesse tópico a questão da mente. Ela precisa estar muito tranquila e em paz durante os estudos e durante a prova. A mente tranquila é um dos melhores recursos da aprendizagem, portanto vale a pena apostar nisso, seja com acupuntura, meditação, exercícios físicos ou qualquer outra forma de conseguir ficar em paz.

Nunca deixe de dormir bem, para os concurseiros, uma noite de sono não tem preço.

  • Dicionário

Uma dica muito boa e que tem sido usada por muitos concurseiros é: usar um dicionário com fórmulas e expressões. Na real, não é bem um dicionário e sim uma mapa mental (bem organizado).

A ideia é anotar cada fórmula matemática estudada e criar um dicionário no qual será possível consultar durante o estudo.

  • Rotina

Esse tópico é um pouco parecido com aquele de cima, na qual falamos sobre fazer muitos simulados e colocar a matemática na prática. Agora, a dica é usar a matemática no dia a dia.

Isso também ajuda a memorizar os temas estudados. É claro que sempre vai ter aquela área que você vai se perguntar: “Quando vou usar isso na vida?” e essa pergunta vai vir para temas mais específicos. Já para os outros, você poderá usar sim, no seu dia a dia.

Porcentagem, regra de três, juros… Tudo isso está presente no cotidiano de todas as pessoas.

Outra questão sobre a rotina é criar uma rotina de estudos. Diante de tantos conteúdos, é preciso ter organização e foco. Não adianta estudar o que está na frente ou saber tudo sobre matemática e não saber o restante. Isso só vai te fazer perder tempo, energia, dinheiro, disposição.

4 Técnicas de Memorização para usar durante o estudo da matemática

A matemática é considerada uma disciplina que necessita de uma estratégia simples, onde a resolução de problemas tem forte componente prático. Assim, por ser teórica, a leitura e a memorização necessita de estratégias e técnicas e nós trouxemos 4. Confira agora!

1 – Repetição: É uma forma muito simples de memorizar qualquer conteúdo. Assim, quando mais o assunto for repetido pelo número de vezes, ele será aprendido. É uma boa técnica, porém pode ser cansativa demais dependendo da atenção e disposição do aluno.

2 – Imagens Mentais: É uma técnica baseada na ideia de memória fotográfica e é ótima para pessoas que tem facilidade em memorizar imagens. O objetivo é um recurso que vai passar a informação estruturada, provocando uma impressão forte na memória. A dificuldade maior é ter bastante criatividade para cada fórmula matemática.

3 – Técnica dos Espaços: Usa a familiaridade da pessoa com determinado espaço para recordar alguma informação. Por exemplo, pode associar-se o caminho de uma rua por informações. Para tanto, é preciso conhecer bem os lugares. É um pouco do que acontece no Palácio Mental, do qual já falamos aqui no blog. Relembre…

COMO GABARITAR PROVAS EXTREMAMENTE DIFÍCEIS USANDO A TÉCNICA DO “PALÁCIO DA MEMÓRIA”

4 – Palavra-Chave: A ideia é associar um tópico à cada palavra-chave, com a finalidade de que seja possível lembrar do termo que nos recordamos de todo raciocínio. Embora o método tenha nítidos benefícios, pode ser complicado para quem não consegue encontrar uma palavra-chave muito especifica.

Entenda que para todos os casos, o importante é elaborar resumos e esquemas que vão auxiliar a memorização. Para isso, é importante, antes de memorizar, compreender o assunto, descansar alguns minutos antes do estudo e empregar o maior número de entradas sensacionais…

Tudo isso vai influenciar no sucesso do entendimento da matéria.

Bônus 2: Com a mudança, como controlar o tempo de prova do Enem 2017?

Toda mudança gera, no mínimo, adaptações e com essas do Enem não será diferente. Mesmo porque muitos candidatos têm dificuldades em fazer as contas, o que pode tornar a matemática como um agravante.

Porém, para especialistas, o grande segredo é saber como administrar o tempo da resolução de cada questão. “Assim, os alunos poderão fazer toda a prova com tranquilidade sem ficar contando os minutos para o tempo acabar”.

Levando em conta que a prova tem 90 questões e um tempo de 4 horas e meia, então, é possível dizer que serão 270 minutos de provas para solucionar todas as questões. O tempo médio é de 3 minutos para cada questão.

Mas, recomenda-se que estudantes usem apenas 2 minutos e 30 segundos para cada uma, sendo que é preciso deixar um tempo livre para preencher o gabarito.

Mais do que isso, a recomendação mais comum é treinar esse tempo de prova com simulados. Isso tem que fazer parte da rotina do candidato e é uma das melhores ferramentas para atingir os objetivos.

Da Redação

Encontrado o Jeito Certo de Estudar Mais em Menos Tempo
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA