Concurso Público da Polícia Civil – 10 Dicas Matadoras para Passar

0
9484

O Concurso Público da Polícia Civil do Estado de São Paulo é um dos mais aguardados do ano. E a boa nova é que o Secretário de Segurança Pública do Estado, Mágino Alves Barbosa Filho, afirmou que os editais deverão ser publicados até dezembro, com nomeações para o ano letivo de 2018.

A afirmação aconteceu após a Revista Veja denunciar uma possível necessidade de investimentos em equipamentos e pessoal na corporação.

Os novos certames já haviam sido confirmados pela Assessoria de Imprensa da Secretaria em julho, quando também foi questionada pelos órgãos da imprensa sobre as diversas ações judiciais em andamento, decorrentes da carência de pessoal.

Nesse caso, a assessoria já havia antecipado que o órgão “realiza estudos em conjunto com a área técnica do governo para viabilizar a abertura de novos concursos para a Polícia Civil”.

Historicamente, o novo pedido está na Secretaria Estadual de Gestão Pública desde maio, onde aguarda autorização para o preenchimento de mais de 3,9 mil vagas a partir do próximo ano, o que não impede que as seleções acontecem ainda em 2017.

Confira os Cargos da Polícia Civil de São Paulo 2017

Mais de 1,3 mil concursados serão aqueles que têm, no mínimo, o Ensino Médio completo. Já a outra parte, mais de 2,5 mil serão para cargos do ensino superior, com remunerações que ultrapassam os 10 mil reais.

Para o Ensino Médio, os cargos disponíveis serão para agente de telecomunicações, agente de polícia, papiloscopista policial e auxiliar de papiloscopista. Os salários podem chegar à 4 mil reais.

Já para o Nível Superior, os cargos serão para investigador de polícia, escrivão, médico legista e delegado de polícia.

Confira os Salários da Polícia Civil de São Paulo 2017

  • Agente de Polícia – Ensino Médio – 446 vagas – Remuneração de 3.428,38
  • Agente de Telecomunicações – Ensino Médio – 457 Vagas – Remuneração de 4.086,56
  • Auxiliar de Papiloscopista – Ensino Médio – 221 Vagas – Remuneração de 3.428,38
  • Delegado – Ensino Superior – 368 Vagas – Remuneração de 10.142,55
  • Escrivão – Ensino Superior – 776 Vagas – Remuneração de 4.171,49
  • Investigador – Ensino Superior – 1,4 mil vagas – Remuneração de 4.171,49
  • Médico Legista – Ensino Superior – 52 Vagas – Remuneração de 8.538,49
  • Papiloscopista – Ensino Médio – 190 Vagas – Remuneração de 4.086,56

Orçamento e Ações Judiciais

A realização de novos concursos é prevista em lei (16. 347) que tem uma receita fixa para as despesas do estado, em cada exercício anual. Para 2017, a previsão foi de 115,5 milhões de reais para a “realização de concursos para a Academia de Polícia para diversas carreiras policiais, assim como cursos de formação e aperfeiçoamento dos integrantes”.

Enquanto isso, a necessidade de pessoal já é reconhecida por todos, inclusive pela Secretaria de Segurança Pública, que desde 2013 divulgou uma resolução especifica com o número de servidores necessários para cada delegacia.

Para a juíza Juliana Maria Finatti, a segurança é direito constitucional do cidadão e um dever do estado.

“Nem se diga que haja ingerência indevida do judiciário em assunto exclusivo do poder executivo, pois não se dá neste caso, onde se determina a implementação de políticas públicas para assegurar direitos do cidadão, como a segurança”.

Fora isso, desde o ano passado tramita na Alesp – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo – o projeto de lei complementar 37/2016 que vista instituir a lei orgânica da polícia do Estado de São Paulo, sendo que um dos objetivos é reestrutura o quadro de servidores da Polícia Civil, com a criação de uma nova carreira, que é de agente de polícia.

Esse profissional substituirá as atuais funções de agente policial, auxiliar de papiloscopista, atendente de telecomunicações, fotógrafo técnico pericial, desenhista técnico pericial, atendente de necrotério e auxiliar de necropsia.

A proposta tramita em regime ordinário na Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

No Distrito Federal, Polícia Civil também confirma Concurso Público

O anúncio foi feito pelo Eric Seba, que é o Diretor Geral da Polícia Civil do Distrito Federal e agora aguarda a abertura da seleção.

Ao todo são mais 2 mil vagas distribuídas entre os cargos de Agente e Escrivão da Polícia. Conforme o Sinpol (Sindicado das Policias Civis), há um déficit de 50% de servidores no Estado. E até 2020 haverá uma queda de mais de 1 mil servidores, que vão se aposentar. Por isso, os certames devem ter também o Cadastro de Reserva.

Atualmente, a remuneração para os cargos é de 8.284,55 além dos adicionais, com carga horária de 40 horas semanais.

Reprodução: Google

Como Passar no Concurso da Polícia Civil

“O problema é que a maioria dos candidatos espera ser aprovado na prova teórica para se dedicar à preparação para a prova física. E, geralmente, a aprovação sai com quatro ou seis semanas de antecedência para o teste físico, o que é um pouco tempo”, diz Elon Junior, autor do livro “Preparação Física para Concursos”.

Conforme edital da Polícia Civil do Rio de Janeiro para cargos de Perito Criminal, a primeira etapa tem caráter eliminatório e classificatório, que consiste em provas de questões objetivas (de múltipla escolha) de língua portuguesa e conhecimentos específicos.

Já o teste físico exige 15 flexões de braços, 15 abdominais, 1,6 mil metros de corrida de resistência e 100 metros de corrida de velocidade para as mulheres. Para os homens, são 25 flexões, 25 abdominais, 2 mil metros de corrida de resistência e 100 de corrida de velocidade.

Portanto, o ideal, conforme os especialistas é estudar e se preparar para as duas etapas simultaneamente.

“Não adianta treinar apenas fazendo a quantidade de exercícios ou de tempo pedidos no edital. Por isso, recomenda também o acompanhamento por parte de um profissional”, diz Elon.

Para ele, a corrida de velocidade costuma provocar muitas lesões, sendo que é importante que o candidato consulte treinadores físicos para não correr o risco de se machucar. Além disso, todos candidatos precisam trabalhar o nervosismo.

“É fundamental manter a tranquilidade, ter uma boa noite de sono no dia anterior e não deixar levar para a pressão, que costuma ocorrer por parte dos familiares e amigos em cima dos candidatos a uma carreira pública”.

O autor do livro também fala sobre a prova objetiva de português. Para o professor da Academia do Concurso, Sandro Lucena, o ideal é o perito criminal focar nos estudos em análises de textos.

“Certamente os tópicos com maior incidência de questões nesses concursos serão os relacionados à análise de textos: compreensão e interpretação de textos verbais e não-verbais, reconhecimento de tipologia textual (narração, descrição e dissertação), aspectos de coesão e coerência, recursos sintáticos e semânticos, domínio do vocabulário”, diz Lucena.

Para ele, vale muito a pena estudar os empregos de conectores, como preposições e conjunção, além do uso do pronome relativo, regência e concordância.

“A dica é resolver provas anteriores da banca que irá realizar o concurso. Praticar vale muito mais do que ficar apenas na teoria”, conclui.

Como Considerar o Papel da Atividade Física na Preparação do Concurso Público

Os benefícios das atividades físicas são imensos e não nos cabe aqui listar todos. Para o concursando, eles também se mantêm e contribuem de forma significativa por melhorar as habilidades cognitivas e o desempenho mental, além de proporcionar um bem-estar psicológico imenso, o que reduz o estresse, por exemplo.

Um estudo feito na Irlanda comprovou, com pesquisas, que os exercícios físicos afetam o cérebro. Os cientistas concluíram que quem pratica exercício físico tem desempenho melhor do que os voluntários que apenas ficam descansando.

atividade física tem que ser vista como uma tática adotada pelos vencedores e não como uma perda de tempo. Logo, eles podem ser feitos em qualquer lugar, como no quarto, no quintal, em uma sala de ginástica, na escada do prédio ou nas redondezas do apartamento.

Agora, para os candidatos à carreiras policiais e militares, esses exercícios tem que ser melhore pensados, já que prática tem que estar dentro do TAF, Teste de Aptidão Física, que é importante para que o candidato chegue ao êxito.

AS 10 MELHORES DICAS PARA VOCÊ GABARITAR AS PROVAS DO CESPE/UNB….

Para se ter uma ideia, esse teste é feito por etapas e costumam ser eliminatórios e com provas consideradas difíceis e sofridas, entre elas, a barra fixa, o salto em distancia, natação, corrida de 12 minutos, entre outros.

Aí, como já falamos, o Treinamento Físico é um dos pontos na qual o candidato mais se perde e se distancia de obter um bom resultado final na prova da Polícia Federal. Sobre isso, um erro fatal é começar a estudar apenas após a divulgação do edital. Se isso acontecer, lamentamos dizer, mas é muito difícil que o candidato consiga cumprir as exigências da prova física.

Para se ter uma ideia, em 2016, um concurso da Polícia Militar de Pernambuco reprovou muitos candidatos no exame que avaliava as condições física, sendo que em um total foram excluídos mais de 2,7 mil candidatos.

Se não é o correto começar a treinar quando sai o edital, qual a recomendação?  Conforme especialistas, o ideal é começar a treinar, no mínimo, 3 meses antes da prova e mantendo sempre uma regularidade. E, é importante não começar a treinar sem a orientação de um médico especialista.

Nenhuma prova exige que o candidato esteja matriculado em alguma academia, mesmo porque existe a questão das limitações financeiras. No entanto, o ideal é que haja um acompanhamento baseado nas exigências feitas pelo concurso, com treinos que envolvam força, flexibilidade e resistência.

A prova objetiva contém 50 questões de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos, além da redação. Depois, há a avaliação psicológica, prova de capacidade física e os exames médicos. Há algumas mudanças para os cargos de papiloscopista e escrivão.

10 Dicas Matadoras para Passar na Polícia Civil

Todo mundo quer saber quais os principais passos para passar na Polícia Civil, mas na verdade esses concursos beneficiam aqueles candidatos que estão mais bem preparados. Confira algumas dicas matadoras para ir bem nas provas.

1 – Seja um Legalista

O que prevalece, em regra, para os concursos de todas as carreiras de policias é a lei. Não oscile entre a Lei, a Doutrina e a Jurisprudência, nunca. Priorize sempre a lei, que é fundamental para dar respostas de todos os tipos, em todos os casos.

2 – Saiba a Lei

Para tanto, em decorrência do que foi dito acima, é fundamental que todo candidato saiba a lei ou, no mínimo, seus princípios básicos. Nesses concursos existem muitas “pegadinhas”, que servem como verdadeiras cascas de bananas para derrubar candidatos despreparados.

O ideal é ter uma boa memorização das partes importantes das leis. Esse é o caminho mais adequado.

Aprende a Memorizar Conteúdos Agora Mesmo!

3 – Posicione-se Conforme os Tribunais Superiores

Outra questão que costuma aparecer constantemente é a seguinte, quando há uma tese: “Qual o melhor posicionamento jurisprudencial a ser usado, o dominante ou o minoritário”?

Em muitos casos, os candidatos recorrem de uma questão por terem escolhido um julgado que não apresenta a tese dominante. Estariam corretos, porém, apenas em partes. O que importante, verdadeiramente, para a banca é o posicionamento dominante.

E, como todos sabemos, a banca pode adotar uma única tese, entre várias. E ela fará isso conforme as interpretações dominantes.

4 – Opte pela Doutrina Clássica Consolidada

Essa doutrina é aquela que deve ser seguida, levando em conta que as outras (exóticas, modernas, heterodoxas) são boas para serem discutidas em sala de aula, mas não são tem a originalidade de provas.

A dica é buscar sempre o respaldo nas teses já sedimentadas.

Até aqui percebe-se a abordagem conservadora, com posicionamentos consolidados, jurisprudência majoritária e letra da lei.

5 – Treine as Questões Anteriores

Independente do seu método de estudo, você tem que praticar exercícios de provas anteriores. E, leve em conta, que nunca um candidato estará totalmente preparado, logo, sempre vão existir bons exercícios para serem treinados , estudados, feitos.

6 – Preparação para o TAF (Treinamento de Aptidão Física)

Os testes de aptidão física são totalmente eliminatórios e não classificatórios. Ou seja, quem não for bem, está fora e ponto final. Para isso, a dica é conseguir encontrar um tempo para trabalhar o cérebro e o corpo, simultaneamente e de forma concomitante.

Obviamente que negligenciar a preparação física ou deixa-la para depois pode representar um desastre no futuro.

7 – Atente-se às Mudanças na Legislação

A banca do concurso sempre põe em foco questões sobre as mudanças nas leis, exatamente para pegar candidatos menos atentos ou que estudaram como material ultrapassado, tomando pontos preciosos.

Faça um levantamento das inovações e dê especial à elas.

8 – Faça Contextualizações

Dedique parte do tempo para entender também algumas ações políticas-policiais, principalmente de grandes centros, como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Aliás, o seu foco deve ser o seu local de atuação, já que cada região tem suas próprias características.

9 – Estude Uniformemente

Nunca priorize uma única disciplina para deteriorar outra. Existe (ou deveria existir) um conteúdo programático para ser aprovado no concurso público, por isso, siga-o. Tudo que está no edital é importante e tudo que está lá, com certeza, será cobrado na prova.

Intercale os estudos, transite entre eles, e tenha disciplinas ordenadas por algum modelo. As prioridades devem existir conforme o perfil de cada estudante e o conteúdo programático é muito grande para se esgotar tão rapidamente.

10 – Leia o Edital

Claramente, esse é um dos passos a ser estudados, porém, seu estudo não deve começar após o edital e sim bem antes dele. No edital vão constar informações importantes que regulamentam o curso, conforme o vigor legal da lei.

Mas, o conteúdo é extenso demais para ser visto em poucos meses.

Melhores Dicas para Passar no Concurso da Policia Civil do Estado de São Paulo

Como já dito, estudar o edital é fundamental, é a lei das leis. Depois, ter um plano de estudo e muito foco. Nesse caso, em particular, é preciso muita atenção para não estudar apenas as matérias que você gosta, e sim, todas as que estão no edital.

Por exemplo, quanto ao Direito Penal, sabe-se que a Vunesp, banca organizadora, gosta de elaborar questões de crimes contra a administração pública, tais como Peculato, Concussão, Excesso de Exação, Prevaricação, Corrupção Passiva e outros. E, recentes alterações na lei também costumam ser exigidas, por isso, mantenha-se atualizado.

Leia Também: Como Ser Aprovado no Concurso da Polícia Federal?

O salário de agente da Polícia Federal pode ultrapassar 9 mil reais. Esse é o principal atrativo aos candidatos, o que faz com que a concorrência seja grande.

Os últimos dados referem-se ao ano de 2012, quando o concurso público apresentou mais de 108 mil inscritos, sendo apenas 500 vagas disponíveis, o que dá uma média de 215 candidatos por vaga.

E também ao ano de 2014, quando foram mais de 98 mil inscritos.

aprovados dão dica em como ser classificado nos concursos públicos da PF

Com base em informações destacadas no G1, buscamos selecionar os melhores casos de sucesso de pessoas que lutaram e conseguiram alcançar o objetivo de chegar à Polícia Federal.

Entre eles, está Natália Coimbra de Souza, que estudou 10 horas por dia durante 6 meses para prestar o concurso e chegar à chefia do Núcleo de Identificação da Superintendência da PF, em São Paulo.

Formada em Direito e Administração, ela também tem habilitação em comércio em exterior. E fez o “cursinho” para estudar física, química, biologia e arquivologia juntamente com as disciplinas de português, direito e conhecimentos gerais.

“Além do estudo, é importante ficar atento aos acontecimentos do mundo. Os candidatos devem se manter atualizados”, aconselha.

Reprodução: Google

Rodrigo Varela já era oficial do Exército, mas optou por tentar a vaga na Polícia Federal. E foi aprovado em 2004, como a Natália. Matriculado em um cursinho, a preparação durou um ano. Bacharel em direito, ele se dedicou mais ainda às disciplinas de português, informática e redação.

“Muitas pessoas não passam porque acham que já sabem essas matérias. Aí que eles se enganam e erram questões bobas. Esses pontos fazem toda a diferença no final”, comenta.

E esse exatamente sobre isso a nossa parte final do texto: Como Não Erras Essas Questões Bobas e Mandar Super Bem nas Prova Objetiva e na Redação com a Técnica da Memorização? A resposta está no tópico a seguir!

Técnicas de Memorização: Como Usar isso A Meu Favor Em um Concurso Público?

Em paralelo aos editais, alguns candidatos recorrem à técnicas de memorização e leitura dinâmica para potencializar os resultados finais. Assim, é possível estudar os conteúdos dos editais e memorizar outros conteúdos, que vão auxiliar, inclusive, na hora de escrever a redação.

Essa é uma das grandes diferenças entre os candidatos que ficam nas primeiras colocações e os que não conseguem a classificação.

Portanto, aprender essas técnicas deve ser considerada um diferencial durante a preparação para o concurso, assim, será possível também corrigir os erros e ficar em uma melhor posição no ranking final.

Renato Alves é um especialista em memorização (já foi solicitado, inclusive, pelo Fantástico, um programa nobre da Rede Globo, veja o vídeo) e é considerado um expert no assunto. No vídeo, como pode ser visto, ele dá as dicas de memorização para os concurseiros.

Uma delas é a fixação do texto, que deve ser feita imediatamente após a leitura. “Tenta explicar para si mesmo o texto e lembrando-se dos detalhes que foram lidos. Isso é suficiente para você lembrar-se do texto durante muito tempo”, frisa.

A sua memória é decisiva para a sua aprovação. Isto porque a memorização está 100% envolvida no processo de preparação para as provas e concursos. Estudos mostram que 98% dos estudantes reprovados foram traídos pela memória, ou seja, no momento decisivo não se lembraram do conteúdo estudo.

Reprodução: Google

E, vamos combinar, não existe memória fraca, não existe memória ruim, o que existe é memória mal treinada para receber uma grande quantidade de informação. Veja alguns benefícios do treinamento da memória:

  • Memorização de artigos, livros e citações,
  • Disposição de acervo mental de informações rápidas,
  • 250 mil segundos é o tempo que você leva para lembrar de algo que foi  bem memorizado,
  • Quando você se lembra daquilo que estudou, ganha confiança e isso diminui a ansiedade,
  • Quem tem memória treinada não fica intimidade pela quantidade de matérias que deverão ser estudadas.

No Curso Estudo de Memorização você utiliza estratégias poderosas, aprovadas por pedagogos, que ajudarão você a aprender mais em menos tempo, gastando menos energia. Saiba mais sobre o curso.

Com informações da UOL, CentraldeConcursos e EditalConcusosBrasil

Concurso Público da Polícia Civil – 10 Dicas Matadoras para Passar
5 (100%) 1 vote

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.